Home > Transparência > Jornalismo de dados “raiz” | Entrevista com Lúcio Vaz

Jornalismo de dados “raiz” | Entrevista com Lúcio Vaz

///
Comentários desabilitados

Em entrevista exclusiva à Fiquem Sabendo, o jornalista Lúcio Vaz conta como investiga gastos públicos a partir de dados e acesso à informação

O jornalista Lúcio Vaz é um dos pioneiros do jornalismo de dados no Brasil, quando dados públicos ainda não eram digitalizados e era preciso compilar, à mão, centenas de documentos de diferentes origens. Ele é hoje um dos usuários mais assíduos da Lei de Acesso à Informação e especialista em reportagens que exploram as mordomias, privilégios e desperdícios de recursos públicos.

Em entrevista para o projeto “LAI e FOIA: diálogos transparentes Brasil-EUA”, Vaz compartilha sua trajetória na investigação de gastos públicos e divide os obstáculos e bastidores da batalha pelo acesso a informações de interesse público. A iniciativa, parceria da Fiquem sabendo com o International Center for Journalists (ICFJ), busca fomentar a discussão de transparência a partir da troca de experiências entre o Brasil e os Estados Unidos.

“A União somos nós. Não existe orçamento da União. Aquele dinheiro é de todos nós, contribuintes. As pessoas precisam ter essa noção”, comenta o jornalista, que já desvendou inúmeros casos de excessos de gastos com recursos públicos. Recentemente, em sua coluna na Gazeta do Povo, publicou matérias sobre os gastos com filhas solteiras de pensionistas, a partir de uma base de dados inédita de 27 anos sobre pensões, publicada graças a 3 anos de esforços da Fiquem Sabendo no Tribunal de Contas da União.

Confira outras entrevistas do projeto:

Você também poderá gostar
Boletins de ocorrência que mencionam aplicativos de relacionamento se multiplicaram em 2021 em SP
Transparência pública vs. privacidade: veja como foi o evento da Fiquem Sabendo em parceria com o Insper
Fiquem Sabendo promove oficina gratuita para estudantes de jornalismo dia 28/4, no YouTube da Faculdade Cásper Líbero 
Fiquem Sabendo agora é membro da GIJN, rede global de jornalismo investigativo