Home > Transparência > Jornalismo de dados “raiz” | Entrevista com Lúcio Vaz

Jornalismo de dados “raiz” | Entrevista com Lúcio Vaz

Em entrevista exclusiva à Fiquem Sabendo, o jornalista Lúcio Vaz conta como investiga gastos públicos a partir de dados e acesso à informação

O jornalista Lúcio Vaz é um dos pioneiros do jornalismo de dados no Brasil, quando dados públicos ainda não eram digitalizados e era preciso compilar, à mão, centenas de documentos de diferentes origens. Ele é hoje um dos usuários mais assíduos da Lei de Acesso à Informação e especialista em reportagens que exploram as mordomias, privilégios e desperdícios de recursos públicos.

Em entrevista para o projeto “LAI e FOIA: diálogos transparentes Brasil-EUA”, Vaz compartilha sua trajetória na investigação de gastos públicos e divide os obstáculos e bastidores da batalha pelo acesso a informações de interesse público. A iniciativa, parceria da Fiquem sabendo com o International Center for Journalists (ICFJ), busca fomentar a discussão de transparência a partir da troca de experiências entre o Brasil e os Estados Unidos.

“A União somos nós. Não existe orçamento da União. Aquele dinheiro é de todos nós, contribuintes. As pessoas precisam ter essa noção”, comenta o jornalista, que já desvendou inúmeros casos de excessos de gastos com recursos públicos. Recentemente, em sua coluna na Gazeta do Povo, publicou matérias sobre os gastos com filhas solteiras de pensionistas, a partir de uma base de dados inédita de 27 anos sobre pensões, publicada graças a 3 anos de esforços da Fiquem Sabendo no Tribunal de Contas da União.

Confira outras entrevistas do projeto:

Você também poderá gostar
Bolsonaro gastou R$ 10 mil por dia em viagens para inaugurar obras durante dois meses da pandemia
Governo Bolsonaro tem R$ 5,6 bilhões para levar Internet à periferia, mas não investe
Com Bolsonaro no poder, Marinha gastou mais de R$ 1,1 milhão apenas em medalhas
Documentos da CIA revelam que agência monitorava atividades do Partido Comunista do Brasil
Documentos da CIA revelam que agência monitorava atividades do Partido Comunista do Brasil
Viagens de ministros já custaram quase R$ 11 milhões no governo Bolsonaro; veja quem são o mais ‘gastões’