Home > Transparência > Documentos históricos da CIA revelam tentativas de interferência no combate ao narcotráfico no Brasil

Documentos históricos da CIA revelam tentativas de interferência no combate ao narcotráfico no Brasil

Acessamos relatório de inteligência do Centro de Crimes e Narcóticos da CIA, classificado como secreto até a liberação pela equipe do MuckRock, site norte-americano especializado em transparência de dados. Datado de 29 de janeiro de 199, o documento analisa o cenário do narcotráfico no Brasil e as políticas de enfrentamento do então presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC).

O MuckRock é uma organização americana especializada na Lei de Acesso à Informação dos Estados Unidos (Freedom of Information Act, ou FOIA). Desde o início do ano passado a Fiquem Sabendo é parceira oficial do MuckRock, com acesso e direito de republicação do material produzido pela entidade.

Acesse a íntegra do documento aqui.

O documento aponta a corrupção de autoridades oficiais e o desgaste do presidente da República entre os líderes do Congresso como os principais obstáculos para o sucesso da política de combate ao tráfico de drogas no território brasileiro na década de 90.

Traduzimos o documento para o projeto “LAI e FOIA: diálogos transparentes Brasil-EUA“, realizado com apoio do International Center for Journalistas (ICFJ) – instituição global para promoção do jornalismo.

Mantendo-se vigilante em relação aos empenhos brasileiros no tocante à política antidrogas, o Relatório de Inteligência da CIA também detalha a ofensiva da gestão Cardoso, que investiu na importância do papel das Forças Armadas para combater o narcotráfico. “Em março de 1998, o Presidente Cardoso assinou legislação autorizando a Força Aérea a atacar aeronaves ilegais que não respondem a ordens de pouso”, discorre o texto, que destaca ainda o fato do então presidente não ter assinado até aquele momento regras oficiais de compromisso para pilotos de interdição da Força Aérea. 

A legislação mencionada refere-se à Lei do Abate, ou Lei do Tiro de Destruição, que entrou em vigor em 2004, ao ser regulamentada pelo governo Lula. Na prática, a lei autoriza a derrubada de aviões considerados suspeitos de servirem ao narcotráfico e hostis à segurança nacional, e já foi alvo de intensos debates quanto à sua constitucionalidade. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o primeiro a assiná-la, conforme relata o texto, já revelou que inclusive mudou de opinião sobre a questão das drogas desde o final do seu mandato e passou a defender a descriminalização.

Documentos revelados pela WikiLeaks em 2010 apontam que o governo brasileiro permitiu inspeções periódicas de autoridades norte-americanas no Brasil para deliberar sobre a aplicação da lei. Em março deste ano, a Força Aérea Brasileira interceptou um avião de pequeno porte considerado irregular que sobrevoava o Mato Grosso e, em abril de 2018, chegou a atirar em um avião suspeito de tráfico de drogas no Mato Grosso do Sul. A legislação, entretanto, nunca foi aplicada para destruir aeronaves.

O relatório da CIA aponta ainda para o financiamento americano de estratégias para o combate às drogas no Brasil. “Brasília também adotou uma variedade de iniciativas sociais voltadas à redução da demanda de narcóticos, em cooperação com programas e políticas financiados pelos EUA”, verifica o texto, que registra insatisfação com os empreendimentos brasileiros. “O Brasil frequentemente registra sucessos escassos na frente da interdição, e os resultados de 1998 foram igualmente insignificantes”, completa. A aposta da organização americana, conforme indica o documento, é no fortalecimento da legislação. “A antecipação da passagem da lei antidrogas coletiva pendente e os esforços para conter brigas burocráticas e reduzir a corrupção oficial, especialmente no sistema judicial e entre as autoridades policiais estaduais e municipais, também deve oferecer oportunidades para demonstrar um compromisso antinarcótico contínuo”, conclui. 

Em 2002, Fernando Henrique Cardoso assinou um decreto estabelecendo as diretrizes para a Política Nacional Antidrogas, revogado por Bolsonaro em 2019. A medida do atual presidente colocou em vigor a Política Nacional sobre Drogas, alvo de críticas por adotar a abstinência como principal estratégia e retirar menção à política de redução de danos como alternativa.

Acesse a íntegra do documento aqui.

Assista às entrevistas já produzidas com apoio do ICFJ:

Veja os outros textos que traduzimos:

Veja outros documentos liberados pelo MuckRock:

Você também poderá gostar
Documentos da CIA revelam que agência monitorava atividades do Partido Comunista do Brasil
Documentos da CIA revelam que agência monitorava atividades do Partido Comunista do Brasil
As 10 principais portas de saída de drogas do Brasil
As 10 principais portas de saída de drogas do Brasil
A cada mês, 2 agentes penitenciários são presos em São Paulo
A cada mês, 2 agentes penitenciários são presos em São Paulo
Em 1 ano, União apreende na fronteira armas que SP intercepta em 50 dias
União apreende menos de duas armas por dia em 15 mil km de fronteira