Home > Transparência > Eleições 2020 tiveram 10 mil denúncias de disparos em massa ilegais no WhatsApp

Eleições 2020 tiveram 10 mil denúncias de disparos em massa ilegais no WhatsApp

De setembro a dezembro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu 10.107 denúncias de disparos em massa de mensagens por meio do WhatsApp, vindas de 27 estados de norte a sul do país. O estado com mais denúncias é São Paulo (2265), seguido de Minas Gerais (1029), Paraná (882), Rio de Janeiro (825) e Sergipe (745). O levantamento é da agência Fiquem Sabendo, feito a partir de informações obtidas via Lei de Acesso à Informação.

Reportagem em parceria com o Yahoo Brasil, acesse aqui.

A principal motivação para as denúncias é o contato de um número desconhecido, com 3576 registros. Outros fatores que levam as pessoas a denunciarem são o conhecimento de que a mesma mensagem foi recebida por várias pessoas e o recebimento de textos genéricos ou de mensagens encaminhadas por vários grupos diferentes.

Desde 2019, a contratação de disparo de mensagens em massa com fins eleitorais é proibida pelo TSE. Segundo a resolução, o disparo em massa é configurado como envio, seja ele automatizado ou manual, de um mesmo conteúdo para um grande volume de usuários, por meio de qualquer serviço de mensagens, como o WhatsApp. A prática também é vedada pela própria empresa, que se uniu ao TSE para receber as denúncias. Das mais de 10 mil queixas, 9.821 (97%) já haviam sido repassadas ao WhatsApp quando informado à Fiquem Sabendo pelo Tribunal.

Em nota, o órgão informou que, a partir do recebimento das denúncias, a empresa conduz uma apuração interna para verificar se houve violação das políticas de uso do aplicativo. Após a coleta de todas as reclamações, o TSE vai “realizar junto ao WhatsApp um balanço das ações e conjecturar os efeitos deste acordo de colaboração para as próximas eleições”.

Diogo Rais, professor de direito eleitoral digital no Mackenzie e cofundador do Instituto Liberdade Digital, ressalta que o canal de denúncias fruto da parceria entre WhatsApp e TSE é o principal meio de identificar irregularidades. “É talvez a única forma de chegar a determinadas irregularidades eleitorais. Se o candidato não respeita as regras do jogo em uma campanha, ele provavelmente não vai respeitar o voto do eleitor”, aponta.

Quer continuar lendo? Acesse aqui a reportagem completa no Yahoo Brasil.

Você também poderá gostar
Como fazer a FOIA (LAI) trabalhar pra você
Plano sanitário para eleições nas comunidades indígenas e quilombolas é publicado a cinco dias do primeiro turno
Eleições 2020 nas capitais serão termômetro para disputa presidencial em 2022
Disputando reeleição por liminar, Crivella sofreu 9 pedidos de impeachment no mandato
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
Justiça já barrou 392 candidatos com “ficha suja” nas Eleições 2020; saiba quem são
Eleições 2020 nas capitais serão termômetro para disputa presidencial em 2022
Eleições 2020 nas capitais serão termômetro para disputa presidencial em 2022