Home > Transparência > Perguntas e respostas sobre a Lei de Acesso

Perguntas e respostas sobre a Lei de Acesso

Desde o lançamento da newsletter “Don’t LAI to me“, no dia 21 de janeiro, recebemos mais de 3.500 inscrições e, com elas, muitas perguntas! Vamos tentar responder a algumas delas por aqui. Ainda não entrou para essa rede? Inscreva-se gratuitamente.

Quais informações posso pedir e quais já estão na internet?

A Lei de Acesso instituiu uma nova forma de atuação do poder público: acesso é a regra e o sigilo, a exceção. Apesar de muitas informações já estarem disponíveis, o cidadão tem ainda o direito de pedir outros dados que lhe interessem, sem dar nenhuma justificativa do porquê. Veja como isso funciona:

Transparência ativa é o conjunto de informações que o governo tem obrigação de publicar, de forma acessível, independentemente de qualquer provocação. Todos os órgãos do poder público têm de ativamente disponibilizar despesas, salários, receitas, informações classificadas e desclassificadas, entre outros. Confira o rol de informações que devem ser sempre públicas e atualizadas abaixo.

 

Aspectos Gerais da Lei de Aceso – Portal de Acesso à Informação do Governo Federal

Quando o cidadão não encontra o que busca nas informações já disponíveis, pode acessar as ferramentas de transparência passiva. Ao ser provocado, por meio de um pedido de informação, o poder público tem de disponibilizar os dados requeridos. Existem exceções, como dados pessoais, mas a regra é a transparência!

Como fazer um pedido de informação?

O primeiro passo é descobrir quem é o responsável pelas informações que você precisa. Cada município deve ter seu próprio site, bem como os Estados. Para a União, todos os pedidos podem ser feitos no e-Sic do Governo Federal, que inclui universidades e institutos federais, autarquias, bancos estatais, entre outros.

Acesse aqui uma lista dos e-Sics estaduais. Ainda não existe um index para os e-Sics municipais, mas você pode ajudar o grupo independente Colaboradados a construir um!

 

Como melhorar meus pedidos?

Seja claro, objetivo e conciso. Pense que você está falando com um servidor que vai ter de descobrir uma informação que não é produzida por ele, muitas vezes em um ministério ou secretaria que tem diversos departamentos. Por isso, é importante ser muito específico, de preferência já sabendo o nome da base onde o dado está registrado, e com datas específicas. Quanto mais concreto o pedido, maiores as chances de ele ser atendido. Uma velha e boa pesquisa no Google antes de se fazer um pedido pode mudar tudo. Leia este tutorial escrito por nosso editor Luiz Fernando Toledo para a Associação de Jornalistas de Educação (Jeduca).

Como ter ideias para fazer pedidos de informação?

Acesse a plataforma abertas de pedidos respondidos do governo federal e o repositório do site Achados e Pedidos, organizado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e pela ONG Transparência Brasil. Nada como se inspirar vendo o que os outros estão perguntando! E claro, siga o Fiquem Sabendo nas redes sociais para ver sugestões reportagens de diversos veículos feitas com dados obtidos via LAI.

Qual é o tempo de resposta da LAI?

A lei diz que o prazo é de até 20 dias, com mais 10 prorrogáveis mediante justificativa do poder público pelo atraso. Ou seja, o prazo máximo de resposta para um pedido de Lei de Acesso é de 30 dias. Mas há alguns órgãos que desrespeitam este prazo; nesse caso, entre com um recurso. Veja também a análise do tempo de resposta feita pela plataforma Achados e Pedidos. Dados do governo federal apontam para uma média de 16 dias para resposta, mas isso pode variar de órgão a órgão. 

O que fazer se esgotarem os recursos?

Após o fim dos recursos, a saída é entrar com uma ação judicial, procurar o Ministério Público ou o Tribunal de Contas, caso você tenha certeza de que está certo em sua solicitação. Um estudo conduzido pela Artigo 19 apontou que mais de 70% das ações judiciais que pedem acesso a dados públicos resultam em vitória de quem pediu acesso as informações. Leia este guia!

Don’t LAI to me
Uma newsletter para quem quer informação direto da fonte! 

18 Respostas

  1. Pingback : Angústias e respostas: desabafos de usuários da LAI | Fiquem Sabendo

  2. Pingback : UFMT: até pesquisa sobre flauta sob sigilo na federal - Edição #3 da newsletter | Fiquem Sabendo

  3. E uma comissao interministerial que decide, no ambito da administracao publica federal, sobre o tratamento e a classificacao de informacoes sigilosas. Nos termos do art. 35 da Lei de Acesso, a CMRI possui competencia para: 

  4. Pingback : 1 criança indígena morre por agressão a cada semana | Fiquem Sabendo

  5. Pingback : Médicos realizam uma denúncia a cada hora por falta de recursos durante a pandemia ao CFM

  6. Pingback : Auxílio-mudança para cúpula da AGU custou mais de R$ 1 milhão em 2 anos

  7. Pingback : Denúncias de violência contra animais em São Paulo aumentam 81,5%

  8. Pingback : Ministério da Saúde tem 2 milhões de testes rápidos em estoque

  9. Pingback : Denúncias contra ‘pancadões’ aumentam 82,5% na pandemia em SP

  10. Pingback : Como driblar negativas de acesso com base no "trabalho adicional"

  11. Pingback : Denúncias de violência contra animais em São Paulo aumentam 81,5% em 2020. – Blog da Marilia.

  12. Pingback : Grajaú e Cidade Ademar lideram fila de espera de creches em São Paulo

  13. Pingback : Com Bolsonaro, Marinha gastou mais de R$ 1,1 milhão em medalhas

  14. Pingback : Como a LGPD e a LAI vão se relacionar? Entenda o debate em 5 pontos

  15. Pingback : Bolsonaro gastou R$ 10 mil por dia com viagens na pandemia

  16. Pingback : Número de mortos por policiais militares em SP é o mais alto em cinco anos

  17. Pingback : Eleições 2020 tiveram 10 mil denúncias de disparos em massa ilegais no WhatsApp | Eleições Brasil

  18. Pingback : Eleições 2020 tiveram 10 mil denúncias de disparos em massa ilegais no WhatsApp

Deixe uma Resposta