Home > Meio Ambiente > Gasto anual para despoluir rio Tietê bate recorde e chega a R$ 495 mi

Gasto anual para despoluir rio Tietê bate recorde e chega a R$ 495 mi

///
Comentários desabilitados

O projeto de despoluição do rio Tietê – o maior do Estado de São Paulo, com cerca de 1.100 km de extensão – custou R$ 495,15 milhões no ano passado. Trata-se do maior repasse feito pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) em face do programa de recuperação do rio desde 2005.

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Sabesp obtidos por meio da Lei nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

Sabesp desombolsou R$ 495 milhões com programa em 2014

Espuma de poluição do rio Tietê invade rua da cidade de Pirapora do Bom Jesus, na região metropolitana de São Paulo. Foto: Rafael Pacheco/Fotos Públicas (22/06/2015)

De acordo com as informações disponibilizadas pela empresa, os gastos com o programa de despoluição iniciado na primeira metade da década de 1990 (gestão Luiz Antônio Fleury Filho) cresceram 39% em relação a 2013, quando foram investidos R$ 357,07 milhões.

Ao longo dos últimos dez anos, o dinheiro gasto com esse programa mais do que dobrou. Na comparação com 2005, o investimento feito no ano passado representa um aumento de 177% (veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo).

Gasto com despoluição do rio Tietê bate recorde

Projeto de despoluição do rio Tietê apresenta resultados: trecho morto do rio  foi reduzido em 87%

Entre 1993 e 2014, a extensão onde o rio Tietê é considerado completamente morto caiu de 530 km para 70,7 km, segundo a Sabesp. Isso representa uma redução de 87%.

De acordo com estudo divulgado no ano passado pela ONG SOS Mata Atlântica, responsável pelo monitoramento da qualidade da água do rio Tietê e seus afluentes, atualmente, a mancha de poluição do rio se encontra entre os municípios de Guarulhos e Pirapora do Bom Jesus.

Quando o projeto de despoluição do rio Tietê foi iniciado, a mancha de poluição do Tietê se encontrava entre as cidades de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, e Barra Bonita, de acordo com a Sabesp.

Dinheiro gasto com despoluição do rio Tietê bate recorde

Trecho limpo do rio Tietê, no município de Pereira Barreto, no interior paulista. Foto: Diogo Moreira/GOVSP (22/03/2014)

Projeto de despoluição do rio Tietê deslanchou após campanha feita por rádio

O projeto de despoluição do rio Tietê foi iniciado após a rádio Nova Eldorado AM abordar o problema em seu programa, O encontro dos rios. Nele, discutia-se o sucesso de programas de despoluição, como o do rio Tâmisa, que banha Londres, na Inglaterra.

Na época, a população da capital paulista se envolveu com o projeto. Foi feito até um abaixo-assinado, que recolheu mais de um milhão de assinaturas.

Por que despoluir o rio Tietê é importante?

A Constituição Federal prevê, em seu art. 23, ser competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios promover “programas de saneamento básico”.

A Lei nº 11.445/2007, que estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico, diz, em seu art. 2º, que constituem princípios fundamentais da prestação desse serviço a “universalização do acesso” e que o “abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo dos resíduos sólidos realizados de formas adequadas à saúde pública e à proteção do meio ambiente”.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), para cada dólar investido em água e saneamento, são economizados 4,3 dólares em custo de saúde no mundo. De acordo com a agência ligada à ONU, cerca de 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso ao saneamento e 1 bilhão pratica defecação ao ar livre. Só no múnicipio de São Paulo, 194 mil residências não são ligadas a rede de coleta de esgotos. Na Grande São Paulo, 10 cidades não tem tratamento nem para metade do esgoto coletado.

Especialistas apontam ainda que o contato com a água poluída pelo esgoto provoca problemas como diarreias, leptospirose e hepatite A. De forma que o projeto de despoluição do rio Tietê é fundamental para garantir a saúde da população e do meio ambiente.

Sabesp afirma que projeto de despoluição alcançou melhoria na qualidade da água

A Sabesp disse em nota enviada por sua assessoria de imprensa que, desde o início da execução do projeto Tietê, “houve considerável melhoria na qualidade da água”.

A empresa informou que “tem trabalhado fortemente para implantar a infraestrutura necessária de esgotamento sanitário, em áreas passíveis de implantação, ou seja, em áreas regulares”.

Diz ainda que o índice de coleta e tratamento de esgotos na região metropolitana de São Paulo “vem subindo consideravelmente”. A coleta passou de 70% para 84% entre 1992 e 2008; já o tratamento foi de 24% para 70%.

Hoje, o projeto Tietê está em sua terceira etapa, que abrange a realização de obras em 27 municípios. “O objetivo desta 3ª Etapa é que a coleta passe de 84% para 87% e o tratamento de 70% para 84%.”

Mais informações sobre Saneamento Básico

– Estados perdem R$ 1,3 bilhão em corte da União no investimento em saneamento básico

– 10 regiões com mais relatos de falta d’água no 1º semestre em São Paulo

– Reclamações por falta de água aumentam 57% na Grande SP

– Sabesp desperdiça mais que dobro do volume economizado com bônus

 

 

 

Você também poderá gostar
Boletins de ocorrência que mencionam aplicativos de relacionamento se multiplicaram em 2021 em SP
Transparência pública vs. privacidade: veja como foi o evento da Fiquem Sabendo em parceria com o Insper
Fiquem Sabendo promove oficina gratuita para estudantes de jornalismo dia 28/4, no YouTube da Faculdade Cásper Líbero 
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência