Home > Saúde > 10 cidades da Grande SP que tratam menos da metade do esgoto

10 cidades da Grande SP que tratam menos da metade do esgoto

///
Comentários desabilitados
10 cidades da Grande SP que não tratam metade do esgoto

Trecho do rio Tietê tomado por espuma em Pirapora do Bom Jesus

Sabe o que acontece depois que alguém aciona a descarga do vaso sanitário em algumas regiões da Grande São Paulo? Em Francisco Morato, nenhuma gota dos dejetos coletados pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) é tratada. Já em Itaquequecetuba, 97% do esgoto é descartado no meio ambiente sem tratamento.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da estatal obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação. Os números são 2015 e representam o percentual não tratado em relação ao volume de esgoto efetivamente coletado pela companhia. As regiões não atendidas pela coleta de esgoto não entram nessa conta. Se isso ocorresse, o quadro de alguns municípios seria ainda pior.

Os municípios são responsáveis pelo planejamento de sua política de saneamento e devem prestar contas de como os serviços de água, esgoto, lixo e drenagem são feitos nos seus territórios. Por isso, propostas para alterar os números desta reportagem devem fazer parte dos candidatos a prefeito e a vereador nestas eleições.

De acordo com as informações disponibilizadas pela Sabesp, dez das 15 maiores cidades da região metropolitana mais rica do país tratam menos da metade do esgoto que coletam. além de Francisco Morato e Itaquaquecetuba, municípios muito maiores e com IDH (Índices de Desenvolvimento Humano) altos também ostentam números constrangedores: Barueri, onde fica parte de Alphaville, 75% do esgoto coletado não é tratado; em São Bernardo do Campo, terceira maior cidade da Grande São Paulo, 72% dos desejos saem dos banheiros e seguem diretamente para o meio ambiente. (Veja, no quadro abaixo, o detalhamento desses dados.)

10 cidades da Grande SP que não tratam metade do esgoto

Falta de serviço tem ligação com epidemias de doenças relacionadas ao Aedes aegypti 

A não universalização do serviços públicos de saneamento básico está diretamente ligada a epidemias de doenças, como dengue, zika e chikungunya (transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, que assolam desde o ano passado algumas regiões do país.

A lei diz que são serviços de saneamento as ações de “manejo de resíduos sólidos, de limpeza urbana, de abastecimento de água, de esgotamento sanitário e de drenagem e manejo de águas pluviais, bem como infraestruturas destinadas exclusivamente a cada um destes serviços”.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), para cada dólar investido em água e saneamento, são economizados 4,3 dólares em custos de saúde no mundo. De acordo com agência ligada à ONU (Organização das Nações Unidas), 2,5 bilhões de pessoas em todo o mundo ainda sofrem com a falta de acesso a serviços de saneamento básico e 1 bilhão pratica a defecação ao ar livre.

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores