Home > Segurança > Em 10 anos, 842 PMs foram presos por suspeita de assassinato em SP

Em 10 anos, 842 PMs foram presos por suspeita de assassinato em SP

///
Comentários desabilitados
Em 10 anos, 842 PMs foram presos por suspeita de assassinato no Estado

O governador Geraldo Alckmin e o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, participam de reunião sobre as ações de segurança durante as Olimpíadas e passagem da tocha olímpica pelo estado de São Paulo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil (29/06/2016)

Entre 2006 e 2015, 842 policiais militares foram presos sob a suspeita de homicídio no Estado de São Paulo. Esse número representa uma média de 84 detenções por ano. É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

Com 94 prisões, o ano de 2015, com Alexandre de Moraes à frente da Secretaria de Estado da Segurança Pública, foi o segundo que contabilizou a maior quantidade de prisões de PMs por assassinato na década analisada.

O ano com mais prisões foi 2012, com 118. Ele registrou uma guerra não declarada entre policiais militares e integrantes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Mais de 100 PMs (a maioria em horário de folga) foram assassinatos por criminosos _parte deles em emboscadas.

Nesses dois anos, o Estado era governado por Geraldo Alckmin.

As acusações de homicídio abrangem as modalidades dolosa (com intenção) e culposa (sem intenção), já, que, diferentemente da lei penal brasileira aplicada aos civis, o homicídio culposo cometido por um PM também pode resultar em uma prisão em flagrante.

Número de prisões cresceu em 1 ano

A quantidade de PMs levados ao Romão Gomes nos sete primeiros meses deste ano é 4% à registrada no mesmo período de 2015, quando 124 agentes da corporação foram detidos.

Além do homicídio e da lesão corporal, que encabeçam o ranking de crimes com mais imputações aos PMs presos em 2016, os dados da Secretaria da Segurança apontam que corrupção (oito prisões), roubo (seis) e tráfico de entorpecentes (cinco) também aparecem com destaque no levantamento tabulado pela reportagem (veja detalhes no quadro abaixo).

Um terço das prisões de PMs em SP é motivada por homicídio ou lesão corporal

Há prisões por abandono de posto e até por dormir em serviço

O fato de as polícias militares serem organizadas com base na hierarquia e disciplina (art. 42 da Constituição Federal) faz com que seja possível e legal a prisão de seus integrantes por motivos que jamais levariam um civil para a cadeia.

Alguns exemplos: cinco PMs estão no Romão Gomes por abandono de posto; dois por dormirem em serviço; outros três foram detidos por agredirem colegas de farda.

E o pior (para esses policiais): a Constituição Federal prevê, no seu art. 142, parágrafo 2º, que não cabe habeas corpus em relação a punições disciplinares militares.

PM possui rígido processo de depuração interna, diz secretaria

Procurada para comentar os dados sobre as acusações a que respondem os PMs presos neste ano, a Secretaria de Estado da Segurança Pública do governo Geraldo Alckmin (PSDB) enviou à seguinte nota:

“A SSP esclarece que o aumento pontual de cinco PMs presos não indica um salto no número e nem uma tendência de aumento.  A Corregedoria da PM mantém um dos mais rígidos e constantes processos de depuração interna do serviço público estadual, que garante a fiscalização dos atos, a correção e a responsabilização dos que tenham cometido alguma irregularidade. Tanto que a Corregedoria da PM prendeu 275 funcionários. Além disso, foram feitas 265 demissões ou expulsões. 

Outro fator é a Resolução SSP 40/15, medida adotada em março do ano passado para reduzir o mais grave desvio de conduta possível, que é a morte provocada por um policial. O texto determina que as Corregedorias e comandantes de região compareçam ao local de toda ocorrência que envolva policial militar. O Ministério Público também é imediatamente comunicado. A partir de sua adoção, houve queda da letalidade policial em 26%, no período de abril a dezembro de 2015 em comparação com o ano anterior. Essa diminuição influencia diretamente no número de demissões e expulsões.

Os processos disciplinares e os procedimentos que resultam na exclusão de policiais são regidos pelos ditames legais e pelos princípios Constitucionais de ampla defesa e do contraditório.”

Você também poderá gostar
Fiquem Sabendo agora é membro da GIJN, rede global de jornalismo investigativo
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Apenas 7 mulheres foram eleitas prefeitas das capitais brasileiras nos últimos 20 anos
Brasil registra mais casos de apologia ao nazismo em 2019 e 2020 do que nos 15 anos anteriores somados
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução