Home > Meio Ambiente > Quanto do lixo do seu bairro é reciclado? Índice não chega a 10% em SP

Quanto do lixo do seu bairro é reciclado? Índice não chega a 10% em SP

Quanto do lixo do seu bairro é reciclado? Índice não chega a 10% em SP

Central mecanizada de triagem na região do Bom Retiro, centro de São Paulo. Foto: Fábio Arantes/SECOM (16/07/2014)

A reciclagem de metais, papel, plástico e vidro ainda engatinha na maior cidade brasileira. O percentual de lixo produzido por cada bairro paulistano previamente separado de acordo com a sua composição em relação a todo resíduo domiciliar gerado nesses locais é muito baixo em toda a capital paulista.

Em 11 das 32 subprefeituras da cidade, menos de 1% do lixo é recolhido pela coleta seletiva; em outras sete, esse percentual varia de 1,1% a 1,9% dos resíduos gerados.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados de 2015 da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

A reportagem teve acesso aos dados de 30 das 32 subprefeituras da cidade. Não há informações sobre os distritos de Guaianases, na zona leste, e Parelheiros, na zona sul.

Para chegar a esses percentuais, a reportagem comparou a quantidade de lixo recolhida pela coleta seletiva com o total de resíduos produzidos pela área de cada subprefeitura.

De acordo com os dados oficiais, entre as regiões onde o volume coletado pela coleta seletiva representa menos de 1% do lixo produzido, estão distritos populosos como Itaquera e Cidade Tiradentes, na zona leste, e M’Boi Mirim, na zona sul.

A subprefeitura com maior percentual de lixo recolhido pela coleta seletiva é a da Vila Mariana (9,68%); em seguida, aparecem Pinheiros (6,49%) e Lapa (6,14%). (Confira, no infográfico abaixo, os índices de cada região da cidade.)

Quanto do lixo do seu bairro é reciclado? Índice não chega a 10% em SP

Qual é a importância da reciclagem?

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei Federal nº 12.305/2010) define a coleta seletiva como “a coleta de resíduos sólidos previamente segregados conforme sua constituição ou composição”.

Mas, por que é importante separarmos metais, papel, plástico e vidro do restante do lixo que produzimos em casa?

Primeiro, porque a atividade econômica decorrente da coleta seletiva emprega cerca de 1.100 pessoas de baixa renda só na cidade de São Paulo. Elas fazem parte de cooperativas de catadores conveniadas com a Prefeitura de São Paulo.

Em segunda lugar, reciclar é uma forma de diminuir a poluição provocada pela produção de gases do efeito estufa decorrente do lixo armazenado nos aterros sanitários.

Um terceiro aspecto positivo: quanto mais material reciclável é utilizado no ciclo de produção, menos matéria-prima é necessária numa cadeia produtiva. Isso pode significar, em muitos casos, menos desmatamento.

20% da população mundial consome 80% dos recursos da biosfera

A quantidade de lixo que geramos está diretamente ligada ao nosso comportamento enquanto consumidores.

Segundo o jornalista Hervé Kempf, autor do livro “Como os ricos estão destruindo o planeta” e especialista em reportagens sobre meio ambiente, diz, em um trecho de sua obra: “Estima-se que 20% a 30% da população mundial consuma de 70% a 80% dos recursos retirados anualmente da biosfera”.

De acordo com o jornalista, que defende a ideia de que só a redução do consumo por parte da classe média para nos livrar de um colapso ambiental, é necessário “estimular as atividades humanas socialmente úteis e de baixo impacto ambiental”.

“Diante da crise ambiental, temos de consumir menos para distribuir melhor. Para podermos viver melhor juntos, em vez de consumir sozinhos.”

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo