Home > Transparência > Transparência pública vs. privacidade: veja como foi o evento da Fiquem Sabendo em parceria com o Insper

Transparência pública vs. privacidade: veja como foi o evento da Fiquem Sabendo em parceria com o Insper

///
Comentários desabilitados

No dia 28 de abril, a Fiquem Sabendo (FS), em parceria com o Insper, realizou o evento “Transparência pública e privacidade de dados pessoais: um caminho harmônico?”, na sede do Instituto de Ensino e Pesquisa, em São Paulo. O evento marcou os 10 anos da Lei de Acesso à Informação (LAI) no Brasil e o lançamento do relatório “Impactos da LGPD nos pedidos de LAI ao governo federal”, realizado pela FS e pelo Insper, com apoio do Programa de Transparência da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e financiamento da Fundação Heinrich Böll.

Como parte da programação do evento, Bruno Dantas, ministro do Tribunal de Contas da União (TCU); Bruno Bioni, diretor fundador do Data Privacy Brasil e membro do Conselho Nacional de Proteção de Dados (CNPD) e Maria Vitória Ramos, diretora e cofundadora da FS, debateram a relação entre a privacidade de dados e o acesso à informações públicas. 

A discussão, que foi mediada por Natália Mazotte, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e professora do Insper, contou com a participação de estudantes, jornalistas, pesquisadores e profissionais da administração pública.

Com coordenação de Maria Vitória Ramos e participação de mais de 20 pesquisadores e especialistas, o relatório analisou os impactos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), vigente desde 2020, na LAI. Como método de pesquisa, foram levantados e analisados todos os pedidos de acesso à informação com menção à LGPD presentes na base da Controladoria-Geral da União (CGU), órgão responsável por conter todas as solicitações feitas ao governo federal desde 2016. 

Segundo Maria Vitória, o cenário encontrado pela pesquisa foi melhor do que o esperado. Apesar disso, de acordo com ela, há casos importantes do ponto de vista do interesse público que precisam ser analisados e discutidos de forma mais ampla. “A cada 4 negativas de acesso à informação utilizando a LGPD como justificativa, uma é infundada”, afirmou a cofundadora da FS.

Durante sua fala, o ministro Bruno Dantas, levantou questionamentos sobre o uso indevido do dispositivo jurídico. “Há uma negativa de acesso à informação com base na LGPD, mas essa negativa se deu porque o servidor público interpretou mal a norma, ou seja, não recebeu o treinamento necessário para distinguir uma situação de proteção de dados de uma que merece transparência ou porque ele está, dolosamente, utilizando a LGPD como artifício para esconder determinada informação? São problemas diferentes que devem ser tratados de formas diferentes”, analisou o ministro.

Bruno Bioni, por sua vez, falou sobre a necessidade de fortalecer a cultura de produção de dados no poder público. “Se não conseguirmos materializar a LAI e consequentemente materializar a LGPD quando o agente de tratamento de dados pessoais é o poder público, que direito é esse que estamos materializando?”, perguntou.

O evento, que aconteceu das 19h às 21h, foi o primeiro da série de eventos, organizados pela FS, em comemoração aos 10 anos da LAI no Brasil e está disponível no canal oficial da Fiquem Sabendo no Youtube. Para acessar o relatório “Impactos da LGPD nos pedidos de LAI ao governo federal”, apresentado durante o evento no Insper, clique aqui. 

Você também poderá gostar
Boletins de ocorrência que mencionam aplicativos de relacionamento se multiplicaram em 2021 em SP
Fiquem Sabendo promove oficina gratuita para estudantes de jornalismo dia 28/4, no YouTube da Faculdade Cásper Líbero 
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução