Home > Mobilidade Urbana > Motorista ou cobrador comete 30% dos casos de assédio sexual nos ônibus

Motorista ou cobrador comete 30% dos casos de assédio sexual nos ônibus

///
Comentários desabilitados
Motorista ou cobrador comete 30% casos de assédio de sexual nos ônibus

Cartaz afixado dentro de ônibus municipal; 30% dos casos de assédio sexual registrados pela SPTrans são cometidos pelos funcionários de viações. Foto Cesar Ogata/SECOM

Dezessete dos 56 casos de assédio sexual a passageiras nos coletivos registrados pela SPTrans (empresa responsável por gerenciar as linhas de ônibus municipais em São Paulo), entre 2014 e 2015, partiram do motorista ou do cobrador.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da empresa controlada pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

Esta estatística _na qual o assédio praticado pelo funcionário da viação é classificado pela SPTrans como “conduta inadequada do operador_ é o único dado oficial sobre o assunto elaborado pela administração municipal.

Dependendo da conduta do suspeito, o assédio sexual é considerado contravenção penal ou crime. O seu registro pela Polícia Civil pode ser feito nos dois casos, mas, como o abuso sexual nos ônibus pode ser relatado em qualquer uma das 93 delegacias da capital paulista, a corporação não produz nenhuma estatística específica acerca dessas ocorrências.

Quando o assédio sexual ocorre nos trens do metrô ou da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), ele é registrado em uma única delegacia, o que permite a elaboração dessa estatística, conforme o Fiquem Sabendo tem noticiado nas últimas semanas.

De acordo com os dados disponibilizados pela SPTrans, o ano de 2014 registrou 37 casos de assédio sexual; 24 deles foram classificados pela empesa como a “prática de atos que atentam a moral e os bons costumes”; nove se deram por conduta inadequada do operador e três tiveram relação com a superlotação, segundo o registro oficial.

Em 2015, o número de casos de assédio sexual caiu quase pela metade em relação a 2014: houve 19 ocorrências, sendo que oito ocorreram por conduta inadequada do operador, enquanto três se deram pela prática de atos que atentam a moral e os bons costumes (veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo).

Motorista ou cobrador comete 30% dos casos de assédio sexual nos ônibus

Motorista e cobrador, na verdade, inibem abusadores, diz sindicalista

Na avaliação do presidente do Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo), Valdevan Noventa, a estatística da SPTrans não reflete a realidade, já que, “na verdade, o motorista e, principalmente, o cobrador inibem o assédio sexual dentro dos ônibus”.

“Infelizmente, o assédio sexual ocorre diariamente nos ônibus. Fui cobrado por seis anos e, por várias vezes, parei o ônibus e até briguei com esses doentes, que insistem em fazer isso com as mulheres”, diz Noventa.

De acordo com ele, o número de denúncias registradas pela SPTrans é baixo porque “a maioria das mulheres não ligam para o 156 nem registram o caso na polícia”.

“Por trás desse número de denúncias contra o trabalhador, pode haver casos de perseguição ou briga pessoal de algum usuário, que liga para o 156 e fala o que quer contra o motorista ou o cobrador”, diz o sindicalista.

Em 2015, capital registrou ao menos 200 casos de assédio sexual no transporte público

Levando-se em conta que os trens do metrô e da CPTM contabilizaram 181 casos de assédio sexual em 2015, é possível afirmar que, no ano passado, ao menos 200 ocorrências dessa natureza foram registradas no transporte público na capital paulista.

Esse número representa a soma dos casos registrados pela Polícia Civil e SPTrans nos ônibus municipais, metrô e CPTM.

Em 2014, tendo por base a mesma fonte de dados, foram contabilizados 187 casos.

Assédio impede que mulher exerça o seu direito à cidade, avalia urbanista

Em recente artigo publicado em seu blog, a urbanista e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP Raquel Rolnik escreveu que o risco de sofrer assédio sexual impede que a mulher exerça, livremente, o seu direito à cidade.

“As mulheres não têm direito à cidade porque não têm uma vivência plena e segura do espaço público. Não apenas nas ruas e demais espaços, mas também no transporte público, especialmente em horários de pico, quando a superlotação favorece a ação de abusadores”, escreveu Raquel.

Ainda segundo a urbanista, as mulheres só poderão usufruir livremente da cidade “quando se sentirem plenamente livres e seguras – seja em casa, no trabalho, nos espaços públicos ou nos meios de transporte”. “Em lugar nenhum do mundo pode existir direito à cidade enquanto as mulheres não puderem andar sozinhas nas ruas, a qualquer hora, sem medo.”

Vítima deve denunciar o caso ao operador, afirma SPTrans

A SPTrans disse por meio de nota que realiza campanhas preventivas contra qualquer ato de violência no sistema de transporte municipal. A empresa informou que, em caso de assédio sexual, a vítima deve relatar o caso imediatamente ao motorista para que haja a punião cabível.

Leia, abaixo, a íntegra da nota que a empresa enviou à reportagem:

“A SPTrans realiza campanhas preventivas contra qualquer ato de violência e discriminação em materiais afixados nos ônibus, terminais e publicados em seus perfis nas redes sociais. As peças informativas, como edições do Jornal do Ônibus, orientam o respeito às mulheres e disponibilizam os canais para denúncias. Portanto, é fundamental que a vítima denuncie o caso imediatamente ao motorista para que haja a punição cabível.

No caso de ocorrências no interior dos ônibus, a SPTrans orienta os passageiros a comunicar o fato imediatamente ao operador do veículo. Assim, os motoristas conduzem o ônibus até a delegacia de polícia mais próxima para que a vítima registre um boletim de ocorrência e, também, receba amparo das autoridades policiais que tomarão as providências necessárias.

Quando o assédio for cometido por um motorista ou cobrador, a passageira deve informar imediatamente à SPTrans por meio da Central 156 ou do site www.sptrans.com.br/SAC. É muito importante informar a linha, o horário, o prefixo do coletivo e local da ocorrência para facilitar a identificação da tripulação do veículo.

Nesses casos, a SPTrans aciona a empresa responsável pela linha para identificação do operador, que deve ser afastado de suas funções e submetido à área disciplinar da empresa. Também é importante que a passageira registre Boletim de Ocorrência junto às autoridades policiais para que o autor responda criminalmente pelos seus atos como qualquer cidadão.

A SPTrans trabalha, por meio de campanhas educativas veiculadas no Jornal do Ônibus, para melhorar o respeito no interior dos veículos, tanto aos idosos, pessoas com deficiência e mulheres, além de incentivar a inclusão. Em dezembro de 2015, por exemplo, foi assinada Portaria Intersecretarial entre as pastas de Transportes; Políticas para Mulheres; e Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo que prevê que 30% dos motoristas do sistema de transporte coletivo sejam mulheres.

No site da Polícia Militar há uma Manual de Segurança do Cidadão que contém recomendações e dicas de segurança em geral, inclusive no interior do transporte coletivo. Mais informações podem ser obtidas junto à Secretaria de Segurança Pública do Estado.”

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores