Home > Transparência > Paraguai expulsou quase 400 acusados de crimes para o Brasil desde agosto de 2018

Paraguai expulsou quase 400 acusados de crimes para o Brasil desde agosto de 2018

///
Comentários desabilitados

Mensagens diplomáticas obtidas pela Fiquem Sabendo por meio da LAI mostram que o Paraguai expulsou sumariamente 391 criminosos do país entre agosto de 2018, quando o presidente Mario Abdo Benítez assumiu o cargo, e maio deste ano. Quase todos os infratores foram enviados ao Brasil. A ação está entre as iniciativas adotadas pelo governo paraguaio para combater o tráfico de drogas. 

documento também aponta a presença de facções criminosas brasileiras que atuam no Paraguai. “De acordo com os dados apresentados, as autoridades paraguaias detiveram, no período, 2.153 indivíduos suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas, dentre os quais importantes membros das facções criminosas ‘Primeiro Comando da Capital’ (PCC), ‘Comando Vermelho’ (CV) e ‘Terceiro Comando Puro’ (TCP)”.

Em junho de 2019, outro telegrama da embaixada brasileira em Assunção falava sobre a crise penitenciária gerada por rebeliões do PCC no Paraguai. Na época da mensagem diplomática, os deputados paraguaios analisavam projeto de lei para declarar situação de emergência em todo o sistema carcerário do país, depois que membros do PCC assassinaram 10 presos no presídio de San Pedro de Ycuamandiyú. Além disso, as autoridades também sugeriram deportar para o Brasil detentos brasileiros ou paraguaios ligados à facção.

Presídios lotados contribuíram para o crescimento do PCC no país vizinho. “A abertura de novas penitenciárias faz parte da estratégia do governo para enfrentar o problema da superlotação do sistema carcerário, uma das principais razões para o rápido fortalecimento e expansão do PCC no Paraguai, de acordo com autoridades”, escreveu no telegrama o encarregado de Negócios, Emerson Coraiola Yinde Kloss.

O embaixador Flávio S. Damico informou, em maio deste ano, que uma pesquisa do sociólogo paraguaio Carlos Peris estava repercutindo no país. O estudo mencionado no telegrama trata das transformações no modelo de inserção do Paraguai no mercado internacional de cocaína. Segundo o documento, os traficantes paraguaios estariam usando rios para escoar cocaína com destino à Europa. Isso poderia indicar uma “menor dependência de redes criminosas” daquele país em relação ao mercado consumidor do Brasil. Clique aqui para conferir o material completo. 

________________________________________

Este conteúdo saiu primeiro na edição #64 da newsletter da Fiquem Sabendo, a Don’t LAI to me. A newsletter é gratuita e enviada quinzenalmente, às segundas-feiras. Clique aqui e inscreva-se para receber nossas descobertas em primeira mão também.