Home > Transparência > Mulheres na política: NOVO é o partido com menor proporção de filiadas; MDB tem mais mulheres no quadro

Mulheres na política: NOVO é o partido com menor proporção de filiadas; MDB tem mais mulheres no quadro

Mesmo tendo dobrado a proporção de mulheres no quadro nos últimos quatro anos, NOVO é o partido com menos representatividade feminina proporcionalmente ao total de filiados. Elas são apenas 20,6% no quadro do partido, conforme levantamento da agência Fiquem Sabendo a partir das estatísticas de filiação partidária consolidadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em julho deste ano.

Reportagem em parceria com o Yahoo Brasil, acesse aqui.

A filiação partidária é pré-requisito para quem quer se candidatar a um cargo eletivo, conforme as leis 9.504/1997 e 9.096/1995. Para concorrer, o eleitor deve estar vinculado a um partido há pelo menos seis meses antes da data fixada para as eleições. Por isso, a proporção de mulheres no quadro dos partidos é determinante para as candidaturas a prefeita e vereadora nas eleições de 2020.

Na comparação com o último pleito municipal, a proporção de mulheres em relação ao total de filiados nos 33 partidos políticos do Brasil cresceu um ponto percentual em 2020. Há quatro anos, elas representavam 44,2% dos filiados; agora, são 45,3% dos 16,5 milhões de eleitores com filiação partidária no país.

Nas últimas eleições municipais, em 2016, o NOVO tinha 10,7% de mulheres entre seus filiados. Embora tenha sido a sigla com maior crescimento proporcional, o espaço ocupado por elas é o menor entre todos os partidos. 

O Partido da Mulher Brasileira (PMB) tem a maior proporção de mulheres, com 54,9% do total de filiados, seguido de REPUBLICANOS (50,5%) e do recém-criado UP (Unidade Popular), com 48,8% de mulheres. PSOL, com 47,3% – aumento de quatro pontos percentuais em relação a 2016 – e MDB, com 46,6% – dois pontos percentuais a mais do que há quatro anos – fecham os cinco partidos com mais mulheres proporcionalmente ao total de filiados.

PSL foi o que mais perdeu filiadas

O PSL, partido pelo qual Jair Bolsonaro se elegeu presidente da República em 2018, foi o que mais perdeu representatividade feminina entre filiados na comparação com 2016: elas eram 43,4% do quadro e agora são 35,3%, uma queda de oito pontos percentuais. Na sequência, vem PCO, com 35,4% (perda de seis pontos percentuais) e PRP com 40,1% (cinco pontos a menos que em 2016). A REDE ampliou o quadro feminino em sete pontos percentuais nos últimos quatro anos, passando de 34,1% em 2016 para 40,8% em 2020, mas é a quinta legenda com menor representatividade feminina, proporcionalmente.

Em números absolutos, o MDB tem o maior contingente feminino, com cerca de 1 milhão de filiadas, mas é também o maior partido do país, com mais de 2 milhões de filiados. Na sequência, vêm PT (704 mil mulheres), PSDB (633 mil), PP (618 mil) e PDT (531 mil).

Quer continuar lendo? Acesse aqui a reportagem completa no Yahoo Brasil.

Você também poderá gostar
1,5 mil políticos com ficha suja podem voltar a concorrer nas Eleições 2020
Com 79% dos votos válidos, indústria da multa terá bancada forte na Câmara Municipal de SP
Só o fim da indústria da multa bate brancos, nulos e abstenções na eleição em SP
Número de veículos guinchados pela CET quadruplica em dois anos
Número de carros guinchados pela CET quadruplica em dois anos
Falta de dados faz da campanha eleitoral um circo
Falta de dados confiáveis faz da campanha eleitoral um circo