Home > Transparência > Governo Bolsonaro terá de divulgar pensões de servidores inativos; pagamentos chegaram a R$ 490 bilhões em 6 anos

Governo Bolsonaro terá de divulgar pensões de servidores inativos; pagamentos chegaram a R$ 490 bilhões em 6 anos

TCU acatou denúncia do Fiquem Sabendo e determinou abertura de dados em 60 dias

O governo federal terá de disponibilizar, em até 60 dias, os valores pagos a cada um dos seus servidores aposentados, pensionistas e demais inativos – o que inclui militares da reserva. A decisão foi tomada ontem, 11 de setembro de 2019, por unanimidade em plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) após denúncia registrada pelo Fiquem Sabendo. Com a decisão, passam a ser alvo de publicidade não só inativos, como também aqueles que recebem pensão de seus parentes.

Agência Brasil/EBC

A agência vinha tentando há meses ter acesso a esses dados por meio de pedidos feitos via Lei de Acesso à Informação (LAI) ao então Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (atual Ministério da Economia), mas a pasta indicou que restringiu a divulgação de informações sobre remuneração e subsídio recebidos “apenas para os servidores públicos que estivessem na ativa” e que “não possuía posicionamento jurídico efetivo quanto à questão da publicação dessas informações para inativos”.

Estima-se que, entre 2011 e 2016, as despesas realizadas com servidores aposentados, na reserva, reformados e instituidores de pensão atingiram R$ 494,6 bilhões. “Tendo em vista o alto volume de recursos dispendidos em aposentadorias e pensões, interpretação equivocada do que dispõe a LAI acarreta o não atendimento, em sua completude, da política de transparência ativa na gestão do Poder Executivo Federal”, entendeu o TCU, em decisão proferida na quarta-feira, 11.

O TCU determinou, em plenário, a abertura dos dados, determinando ao Ministério da Economia, “se ainda não o fez, que adote medidas, no prazo de 60 dias, com vistas à divulgação da base de dados, em formato aberto, dos pensionistas
vinculados ao Poder Executivo Federal, bem como dos aposentados que passaram à inatividade em
data anterior a novembro de 2016, em observância ao princípio da publicidade constante do art. 37 da
Constituição Federal e ao disposto nos arts. 8º da Lei 12.527/2011 (LAI), 7º do Decreto 7.724/2012,
1º, incisos II e V, e 8º do Decreto 8.777/2016″

Acesse aqui o relatório e a decisão do TCU.

Você também poderá gostar
Fiquem Sabendo apresenta proposta de melhoria da transparência ao Ministério Público
Fiquem Sabendo apresenta proposta de melhoria da transparência ao Ministério Público
FS pressiona Conselho Nacional de Justiça a abrir decisões de 1ª instância
Veja como conseguir dados do governo anonimamente
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo