Home > Transparência > Justiça já barrou 392 candidatos com “ficha suja” nas Eleições 2020; saiba quem são

Justiça já barrou 392 candidatos com “ficha suja” nas Eleições 2020; saiba quem são

Faltando exatamente um mês para o dia da votação para prefeito e vereadores, a Justiça Eleitoral já havia barrado 392 “fichas sujas” das Eleições 2020, segundo estatísticas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisadas pela agência Fiquem Sabendo. Depois de ausência de documentos obrigatórios no registro, a Lei da Ficha Limpa é o principal motivo para impedimento de candidaturas. Alguns ainda tentam reverter a decisão por meio de recurso.

Reportagem em parceria com o Yahoo Brasil, acesse aqui.

Até as 10h desta sexta-feira (16), 3,1 mil registros de candidatura haviam sido negados em todo o país, sendo que 2,4 mil (78%) estão nessa situação por não terem apresentado à Justiça Eleitoral todos os requisitos, que incluem cópia do título de eleitor, prova de filiação partidária, declaração de bens, certidão de quitação eleitoral, certidões criminais, entre outros documentos obrigatórios. Os candidatos com “ficha suja”, ou seja, aqueles que tiveram contas julgadas irregulares em exercício de função pública ou foram condenados por improbidade administrativa e outros crimes com pena de inelegibilidade, são 12% dos barrados. 

Veja a lista no site do TSE

Quer continuar lendo? Acesse aqui a reportagem completa no Yahoo Brasil.

Você também poderá gostar
Como fazer a FOIA (LAI) trabalhar pra você
Plano sanitário para eleições nas comunidades indígenas e quilombolas é publicado a cinco dias do primeiro turno
Eleições 2020 nas capitais serão termômetro para disputa presidencial em 2022
Disputando reeleição por liminar, Crivella sofreu 9 pedidos de impeachment no mandato
Eleições 2020 nas capitais serão termômetro para disputa presidencial em 2022
Eleições 2020 nas capitais serão termômetro para disputa presidencial em 2022
Como fazer a FOIA (LAI) trabalhar pra você
Eleições 2020: veja a lista definitiva de todos ex-fichas sujas que podem voltar a concorrer