Home > Transparência > Em boletim de ocorrência, servidor relatou intimidação e perguntas sobre assassinato de”jornalista inglês” em unidade da FUNAI 

Em boletim de ocorrência, servidor relatou intimidação e perguntas sobre assassinato de”jornalista inglês” em unidade da FUNAI 

///
Comentários desabilitados

Um servidor da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) registrou na última sexta-feira, 1, um boletim de ocorrência afirmando ter se sentido intimidado naquele dia por dois homens que foram ao seu posto de trabalho, fizeram perguntas sobre o assassinato do jornalista Dom Phillips e pediram informações sobre como entrar em terras indígenas. Eles teriam se apresentado como “educadores colombianos” que queriam “fazer um estudo com as comunidades”, mas não sabiam dizer em qual comunidade especificamente nem a instituição que representavam. Segundo o relato, um deles estaria com cheiro de bebidas alcoólicas. O documento, obtido pela Fiquem Sabendo, foi registrado na delegacia da Polícia Civil de Atalaia do Norte (AM).

Um despacho da FUNAI na mesma data mostra que os colombianos também estiveram na sede da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Unijava), onde voltaram a se apresentar como educadores e pediram informações de como entrar na terra indígena, o que levantou suspeitas.

O caso é mais um exemplo da insegurança que permanece no local após a saída das forças de segurança, após as investigações sobre o assassinato. Na última edição desta newsletter, a nossa equipe revelou que a FUNAI vem denunciando que seus servidores sofrem ameaças constantes e que não há nem sequer segurança privada para ajudá-los. “Aproveito para reiterar a urgente necessidade de adoção de medidas que garantam a segurança e a integridade física e psicológica dos servidores e funcionários desta Coordenação Regional do Vale do Javari”, diz um ofício do mesmo dia do boletim de ocorrência.

Os documentos foram tarjados pela Fiquem Sabendo para preservar a identidade dos envolvidos.

Veja outras informações sobre a situação da FUNAI após o assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips já divulgadas pela Fiquem Sabendo, como o efetivo da Força Nacional e os ofícios tratando da falta de segurança na região na edição anterior de nossa newsletter.

Se usar as informações, dê o crédito!

ATENÇÃO: Todo o material publicado gratuitamente no nosso site ou nesta newsletter Don’t LAI to me pode, e deve, ser compartilhado! Usamos a licença “Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)”, que permite a republicação/adaptação, inclusive para fins comerciais, nas seguintes condições:

-Todas as republicações ou reportagens feitas a partir de dados/documentos liberados pela nossa equipe devem trazer o nome da Fiquem Sabendo, com crédito para: “Fiquem Sabendo, agência de dados especializada no acesso a informações públicas”;

-Incluir link para a publicação original da agência (no site ou na newsletter);

-As postagens nas redes sociais sobre as reportagens com dados obtidos pela nossa equipe devem conter menção aos perfis da agência: Twitter, Instagram, Facebook ou Linkedin.

______________________________________________________

Este conteúdo saiu primeiro na edição #81 da newsletter da Fiquem Sabendo, a Don’t LAI to me. A newsletter é gratuita e enviada quinzenalmente, às segundas-feiras. Clique aqui e inscreva-se para receber nossas descobertas em primeira mão também.

Você também poderá gostar
Funai alertou em 2021 sobre ameaça de morte a servidores e que está no “limite mínimo” de operação
Boletins de ocorrência que citam pix (forma de pagamento) no Estado de SP