Home > Segurança > São Paulo tem um furto de bike dentro de condomínio a cada dois dias

São Paulo tem um furto de bike dentro de condomínio a cada dois dias

São Paulo tem uma bike furtada dentro de condomínio a cada dois dias

Garagem de prédio tem sido alvo de furtadores na cidade de São Paulo. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

A cidade de São Paulo registrou 84 casos de furto de bicicleta no interior das áreas comuns de condomínios residenciais no primeiro semestre deste ano. Isso representa uma média de uma ocorrência a cada dois dias. É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo a partir da análise do histórico dos boletins de ocorrência de 816 bikes furtadas ou roubadas no período em toda a capital paulista. As informações foram obtidas por meio da Lei de Acesso à Informação.

Os dados oficiais indicam ainda que 10% dos furtos e roubos analisados se deram dentro de condomínios. Na maioria dos casos, a bike foi levada da garagem do conjunto residencial.

De acordo com as informações disponibilizadas pela Polícia Civil, da gestão do governador Geraldo Alckmin, o distrito de Pinheiros, na zona oeste, é a campeã de furtos de bikes em condomínios, com 16 casos registrados entre janeiro e junho. Já a região da Berrini, na zona sul, aparece na segunda colocação, como sete ocorrências contabilizadas no período.

No gráfico abaixo, você pode conferir o mapa de todos os casos dessa natureza, além da localização das ocorrências de furtos ou roubo de bicicletas em residências em geral.São Paulo tem uma bike furtada dentro de condomínio a cada dois dias

Ladrões invadem residência em 16% dos furtos de bicicletas na cidade

Cento e vinte nove dos 816 casos de furtou ou roubo de bicicleta analisados pela reportagem se deram no interior de casas ou apartamentos.

Esse número não abrange as situações em que o furtador invadiu um condomínio e se apropriou de uma bike encontrada na garagem ou no bicicletário de conjuntos residenciais.

Juntos, os casos de furto ou roubo dentro de casas e condomínios representam um pouco mais de um quarto (26%) do total de casos analisados.

O condomínio é obrigado a indenizar a vítima de furto?

O advogado Márcio Rachkorsky, especialista em direito condominial e imobiliário, disse em entrevista à rádio CBN que condomínios não têm obrigação legal de indenizar vítimas de roubos ocorridos dentro dos apartamentos.

Já a responsabilidade do condomínio em indenizar vítimas de furtos ou roubos dentro de garagens ou demais áreas comuns divide o Poder Judiciário.

Há, inclusive, um entendimento do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que isenta condomínios dessa responsabilidade caso haja a aprovação, em assembleia dos condôminos, de uma cláusula específica de não indenizar.

O assunto, no entanto, é controverso. Sendo assim, há decisões do Judiciário que obrigam o condomínio a indenizar vítimas de furto nas garagens, como também há sentenças contrárias a essa posição.

Número de identificação de bikes roubadas entrará no Detecta, afirma secretaria

A Secretaria de Estado da Segurança Pública disse por meio de nota que “vem trabalhando para aumentar a segurança dos ciclistas na cidade de São Paulo”.

De acordo com a pasta, o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, após reunião com a associação de ciclistas no mês passado, criou uma nova resolução que determina a inclusão do número das séries de bicicletas nos registros de boletins de roubo e furto.

“Além de inibir os crimes, a medida ajuda a polícia a identificar o proprietário da bicicleta quando ela for recuperada. Será criado um banco de dados com os números de identificação das bicicletas furtadas ou roubadas no sistema Detecta, que poderá ser acessado por toda a polícia paulista. As polícias estão empenhadas em conter os roubos a ciclistas e trabalham em conjunto na elucidação dos crimes.”

 

 

Você também poderá gostar
Governo Bolsonaro terá de divulgar pensões de servidores inativos; pagamentos chegaram a R$ 490 bilhões em 6 anos
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos