Home > Segurança > Cai número de inquéritos instaurados para investigar crimes licitatórios

Cai número de inquéritos instaurados para investigar crimes licitatórios

///
Comentários desabilitados

A Polícia Federal instaurou 827 inquéritos em 2021 para investigar crimes licitatórios (Lei 8.666/93), quando um indivíduo tenta impedir, perturbar ou fraudar a realização de qualquer ato de procedimento licitatório. Esse é o menor número de inquéritos abertos para esse tipo de crime pelo menos desde 2008, início da série histórica, de acordo com os dados enviados.

A Fiquem Sabendo também obteve dados de outros tipos de inquéritos instaurados em 2021: 978 investigações sobre crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores foram instaurados, 1.725 investigações foram iniciadas sobre crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo e 1.085 sobre crimes contra o sistema financeiro nacional. Confira aqui mais detalhes sobre os inquéritos.

→ Na edição #72 da Don’t LAI to me, mostramos que prisões por corrupção caíram 44% em 2021, menor número desde 2008. Os dados são da Coordenação de Repressão à Corrupção (CRC), órgão da Polícia Federal responsável por executar investigações e operações que visam reprimir crimes de corrupção, organização criminosa, peculato, crimes de licitação, tráfico de influência, entre outros. 

Fiscalize o poder público com a Fiquem Sabendo. Acesse aqui a nossa campanha de financiamento

______________________________________________________

Se usar as informações, dê o crédito!

ATENÇÃO: Todo o material publicado gratuitamente no nosso site ou nesta newsletter Don’t LAI to me pode, e deve, ser compartilhado! Usamos a licença “Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)”, que permite a republicação/adaptação, inclusive para fins comerciais, nas seguintes condições:

-Todas as republicações ou reportagens feitas a partir de dados/documentos liberados pela nossa equipe devem trazer o nome da Fiquem Sabendo, com crédito para: “Fiquem Sabendo, agência de dados especializada no acesso a informações públicas”;

-Incluir link para a publicação original da agência (no site ou na newsletter);

-As postagens nas redes sociais sobre as reportagens com dados obtidos pela nossa equipe devem conter menção aos perfis da agência: Twitter, Instagram, Facebook ou Linkedin.

______________________________________________________

Este conteúdo saiu primeiro na edição #74 da newsletter da Fiquem Sabendo, a Don’t LAI to me. A newsletter é gratuita e enviada quinzenalmente, às segundas-feiras. Clique aqui e inscreva-se para receber nossas descobertas em primeira mão também.