Home > Segurança > Avenida Cruzeiro do Sul e Paulista lideram roubos a pedestres em SP

Avenida Cruzeiro do Sul e Paulista lideram roubos a pedestres em SP

Avenida Cruzeiro do Sul e Paulista são as campeãs de roubos em São Paulo

Trecho da avenida Paulista, na região central; via registrou 308 roubos entre janeiro e setembro deste ano, segundo a polícia. Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas (02/10/2015)

Importante e movimentada via da cidade de São Paulo, onde está localizado o terminal rodoviário do Tietê (o maior do país), a avenida Cruzeiro Sul registrou 324 casos de roubo a pedestre entre janeiro e setembro deste ano (197 na zona norte e 127 na região central).

Esse número fez dela a avenida da capital paulista com mais ocorrências desse tipo de crime registradas no período.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Polícia Civil do Estado de São Paulo obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à informação). A reportagem elaborou o ranking das dez vias da cidade que registraram mais assaltos a pedestres neste ano.

De acordo com as informações disponibilizadas pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), a segunda colocação do ranking ficou com a avenida Paulista, cartão-postal da cidade, com 308 roubos contabilizados entre janeiro e setembro. A rua Augusta (travessa da Paulista) é a terceira colocada, com 291 assaltos registrados no período. Em seguida, aparece a rua da Consolação, com 281 casos. (Veja o detalhamento desse levantamento no infográfico abaixo.)

cruzeiro do sul

Combate a crime requer mudança na lei, diz consultor

Na avaliação do especialista em segurança pública e privada Jorge Lordello, parte dos roubos a pedestres ocorridos em vias de grande movimento, como a avenida Paulista, é cometida por suspeitos habituados a praticar esse delito por várias vezes em um curto espaço de tempo.

Para ele, muitos desses suspeitos roubam, na maior parte dos casos, celulares para repassá-los a receptadores e obter droga com o dinheiro.

“O combate a esses suspeitos requer mudanças na legislação, como punições mais rigorosas a adolescentes infratores”, avalia Lordello.

Por que isso é importante?

A Constituição Federal de 1988 prevê, no seu art. 144, que a segurança pública corresponde a um “dever do Estado” e um “direito e responsabilidade de todos” e que ela é exercida “para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio”.

O Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848/1940) prevê, no seu art. 157, uma pena de reclusão de quatro a dez anos e multa para quem comete o crime de roubo.

Se o crime é cometido por duas ou mais pessoas ou com emprego de arma de fogo (situação comum a abordagens a motoristas em assaltos), a pena é aumentada em em até um terço.

Polícia desenvolve ações para combater roubos, afirma secretaria

A Secretaria de Estado da Segurança Pública disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que está atenta aos índices de criminalidade nas vias citadas pela reportagem e que desenvolve ações para combater assaltos nesses locais.

Leia a íntegra da nota enviada à reportagem:

“A SSP esclarece que as polícias estão atentas aos índices de criminalidade das regiões citadas e desenvolvem operações para combater a criminalidade. O resultado disso é que o número de furtos na região central caiu 2,3% nos últimos três meses, em comparação com o mesmo período de 2014. Exemplo desse trabalho conjunto foi a realização de uma operação no último dia 15, nas áreas do 1º, 2º e 3º DPs, para coibir furtos, roubos e receptação, quando 17 flagrantes de crime contra o patrimônio foram registrados. Cerca de 8 mil objetos foram apreendidos na ocasião, sendo 173 celulares. A SSP informa ainda que a avenida Paulista, as ruas Augusta e Consolação recebem policiamento preventivo da Força Tática, Radioputrulhamento, Ronda Escolar e ROCAM (Rondas Ostensivas Com Apoio de Motocicletas). De janeiro a novembro deste ano, a PM prendeu 4.151 pessoas, recuperou 816 veículos e apreendeu 154 armas de fogo e 325 Kg de entorpecentes, na região.”

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo