Home > Segurança > Apreensão de cocaína em aeroportos brasileiros cresce 62% em um ano

Apreensão de cocaína em aeroportos brasileiros cresce 62% em um ano

Apreensão de cocaína em aeroportos brasileiros cresce 62% em um anoDe 443,9 kg para R$ 721,1 kg. Esse foi o aumento da quantidade de cocaína apreendida pela Polícia Federal nos aeroportos do país entre janeiro e abril de 2015 e o mesmo período deste ano. Isso representa uma alta de 62%.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da corporação obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com as informações disponibilizadas pela PF, o aumento foi puxado pelas apreensões realizadas nos aeroportos do Estado de São Paulo. Lá, a quantidade de cocaína interceptada pelos federais saltou 33% no período: de 405,9 kg para 538,8 kg (veja no quadro abaixo).

info-cocaína-pf

Isso significa dizer que, neste ano, 75% das apreensões de cocaína nos aeroportos brasileiros ocorreram em São Paulo.

Número de suspeitos presos caiu 56% no 1º quadrimestre

Embora a quantidade de cocaína interceptada nos terminais tenha crescido, o número de suspeitos de tráfico internacional de drogas presos pela Polícia Federal nesses locais caiu 56% entre o primeiro quadrimestre de 2015 e o mesmo período deste ano.

De acordo com a PF, a queda verificada no período foi de 164 para 105 acusados presos.

Seis em cada presos nos aeroportos do país com drogas são brasileiros.

A segunda nacionalidade com maior número de detidos é a nigeriana. Entre janeiro e abril deste ano, 16 nigerianos foram presos pela PF com drogas nesses terminais.

PF diz não comentar variações no número de ocorrências

Em levantamentos anteriores sobre esse assunto já publicados pelo Fiquem Sabendo, a Polícia Federal disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que “não comenta variações no número de ocorrências”.

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo