Home > Segurança > Zona leste tem dez das 20 ruas com mais roubos de carro em 2015

Zona leste tem dez das 20 ruas com mais roubos de carro em 2015

20 ruas de São Paulo com mais roubos de veículos em 2015

Alça de ligação para a avenida Jacu-Pêssego, via campeã de roubos de veículos em São Paulo em 2015. Foto: Carlos Silva/Governo do Estado de São Paulo (19/11/2014)

Com 204 roubados registrados entre janeiro e agosto deste ano, a avenida Jacu-Pêssego, interligação do Rodoanel com a rodovia Ayrton Senna localizada na região de Itaquera, zona leste de São Paulo, foi a via que registrou a maior quantidade de roubos de veículos em toda a capital paulista em 2015.

Esse número representa uma média de seis assaltos a motoristas a cada semana.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Polícia Civil do Estado de São Paulo obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com as informações disponibilizadas pela gestão do govenador Geraldo Alckmin (PSDB), a segunda via com maior incidência de roubos de veículos na cidade de São Paulo é a avenida Ragueb Chohfi, em São Mateus, distrito também localizado na zona leste da capital paulista. Ela registrou 149 casos entre janeiro e agosto _quatro ocorrências por semana, em média.

A terceira colocada no ranking de roubos de veículos na capital paulista é outra extensa avenida da zona leste, a Sapopemba, com 137 casos registrados entre janeiro e agosto.

Metade das vias mais perigosas ficam na zona leste

Dez das 20 vias da cidade de São Paulo com maiores incidências de roubos de veículos ficam na zona leste de São Paulo. (Veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo.)

20 ruas da cidade de São Paulo com mais roubos de veículos em 2015

Além das três primeiras colocadas do ranking, fazem parte desse grupo as avenidas Luís Inácio de Anhaia Mello, que aparece na 8ª posição, com 61 casos registrados entre janeiro e agosto, e Assis Ribeiro, 9º colocada, com 57 ocorrências.

Dada a grande extensão das vias que compõem esse ranking, a estatística criminal de parte delas abrange os boletins de ocorrência registrados por mais de um distrito policial.

A Jacu-Pêssego, por exemplo, contabiliza os crimes registrados por três delegacias: o 32º DP (Itaquera), o 53º DP (Parque do Carmo) e o 64º DP (Cidade A.E. Carvalho).

Já os 137 roubos ocorridos na avenida Sapopemba nos oito primeiros meses deste ano foram registrados pelo 55º DP (Parque São Rafael) e pelo 70º DP (Sapopemba).

Estrada do M’Boi Mirim lidera estatística na zona sul

Quarta colocada do ranking, a estrada do M’Boi Mirim, principal interligação de distritos como Jardim Ângela e Jardim São Luís com a marginal Pinheiros, foi a via que registrou mais roubos de veículos em 2015 na zona sul de São Paulo. Foram 98 casos entre janeiro e agosto _três por semana, em média.

A campeã de roubos de veículos na zona norte é a avenida Raimundo Pereira do Magalhães, sétima colocada do ranking geral, com 73 casos.

Nenhuma avenida da zona oeste ou da região central aparece no ranking.

É a comodidade do bandido que prevalece, diz especialista

Na avaliação do consultor em segurança José Vicente da Silva Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública e coronel da Polícia Militar da reserva, a “comodidade” de quem pratica os roubos de veículos é o que explica o fato de avenidas movimentadas da periferia de São Paulo serem as campeãs de assaltos a motoristas na capital paulista.

“Pode estar certo de que, na maioria desses casos, o bandido mora perto do local do assalto”, diz Silva Filho. “É o princípio da comodidade, o criminoso não vai sair de Cidade Tiradentes [na zona leste] para roubar um veículo no Capão Redondo [zona sul], onde ele não conhece as rotas de fuga e não tem com quem contar por perto.”

Segundo ele, os roubos de veículos são praticados para várias finalidades, como praticar outro crime, como um roubo a residência, abastecer receptadores que negociam peças de veículos por meio de desmanches clandestinos e até trocar carros e motocicletas por drogas.

Para o especialista em segurança Jorge Lordello, os ladrões de carro que agem nesses locais abastecem ainda oficinas mecânicas e de funilaria e borracharias clandestinas, que existem em grande número em bairros periféricos e em cidades vizinhas à capital paulista.

“São criminosos da região, que não se sentem confortáveis em agir fora dali. Eles roubam o carro e fazem a entrega do veículo em seguida, perto do local do assalto”, diz Lordello. “É um crime de encomenda.”

Para ele, o cerco aos receptadores de veículos roubados é o meio mais eficaz de diminuir a incidência desse crime.

Roubo de veículo está queda na capital, afirma secretaria

A Secretaria de Estado da Segurança Pública disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que “o número de roubos de veículos está em queda na capital paulista”. “De janeiro a agosto deste ano, houve redução de 27,43% em relação aos oito primeiros meses de 2014. Essa diminuição é resultado do combate à cadeia econômica em torno da venda irregular de veículos e peças usadas, por meio da Lei dos Desmanches, que já fechou 186 estabelecimentos irregulares desde julho de 2014.”

Segundo a pasta, ações de repressão aos crimes contra o patrimônio e investigações resultaram “na recuperação de 24.306 veículos roubados ou furtados e na prisão de 22.529 criminosos na capital, neste ano”.

De acordo com a secretaria, “com base na incidência de ocorrências e, utilizando ferramentas inteligentes, a PM elabora planos de policiamento com redirecionamento de recursos, aumentando a presença policial nos locais que registram mais crimes”. “As vias mencionadas pela reportagem estão entre as mais extensas da cidade, portanto, podem apresentar mais registros de crimes”.

Você também poderá gostar
PM do Rio de Janeiro não contabiliza ocorrências de desrespeito à quarentena
PM do Ceará registrou mais de 12 mil casos de desrespeito à quarentena
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil