Home > Segurança > 20 bairros paulistanos com mais casos de roubos a residências em 2016

20 bairros paulistanos com mais casos de roubos a residências em 2016

///
Comentários desabilitados
20 bairros com mais furtos e roubos de residências em São Paulo

Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, fica em região que está entre as que registraram mais casos de invasões a residências na capital paulista neste ano. Foto: Foto: Ciete Silvério/A2img (27/08/2015)

Com 95 casos registrados entre janeiro e outubro de 2016, o 34º DP (Morumbi) foi a região que contabilizou a maior quantidade de boletins de ocorrência de roubos a residências de toda a cidade de São Paulo no período.

A região lidera o ranking de 20 bairros paulistanos com mais casos de assaltos a casas ou apartamentos elaborado pelo Fiquem Sabendo com base em dados da SSP (Secretaria de Estado da Segurança Pública) obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

De acordo com os dados oficiais, atrás do Morumbi, aparece o bairro do Rio Pequeno, na zona oeste, com 52 casos de invasões de residências registrados entre janeiro e outubro do ano passado. A terceira colocação é ocupada pela Ponte Rasa, na zona leste, com 46 ocorrências contabilizadas no período (veja o detalhamento do ranking no infográfico abaixo).

20 bairros com mais roubos a residências em 2016 em SP

Segundo os números disponibilizados pela Secretaria da Segurança Pública, 9 dos 20 bairros paulistanos preferidos pelos ladrões de residência ficam na zona sul da cidade. Alguns deles ficam em áreas nobres, como Campo Belo (9º colocado, com 32 ocorrências contabilizadas) e Brooklin (12º colocado, com 31).,

Ladrões assaltam 52 residências por dia na capital paulista

A cidade de São Paulo registrou entre janeiro e outubro 1.782 casos de invasões a residências. Isso representa uma média de 52 crimes dessa natureza contabilizados a cada 24 horas.

Nesta quinta-feira (12), o Fiquem Sabendo irá revelar o ranking das 20 regiões com mais furtos de residência em 2016. Trata-se dos casos em que os suspeitos invadem imóveis para roubar objetos das vítimas sem se valerem de violência ou grave ameaça.

Entre janeiro e outubro, 9.837 casos de furto de casas ou apartamentos foram registrados pela Polícia Civil em toda a cidade.

Por que isso é importante?

Constituição Federal de 1988 prevê, em seu art. 144, que a segurança pública corresponde a um “dever do Estado” e um “direito e responsabilidade de todos” e que ela é exercida “para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio”.

Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848/1940) prevê, em seu art. 155, uma pena de reclusão de dois a quatro anos e multa para quem comete o crime de furto. Se o crime é cometido por duas ou mais pessoas (situação comum aos casos de invasão a residência) ou mediante escalada, a pena cominada é mais alta: reclusão de dois a oito anos e multa.

Já em seu art. 157, o Código Penal prevê para o roubo uma pena de reclusão de quatro a dez anos e multa. Ela é aumentada de um terço em situações como o concurso de dois ou mais suspeitos ou emprego de arma de fogo.

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores