Home > Saúde > Magreza e obesidade infantil pioram no país: veja os dados do seu município, região ou estado

Magreza e obesidade infantil pioram no país: veja os dados do seu município, região ou estado

///
Comentários desabilitados

O Ministério da Saúde mantém uma base de dados detalhada com a situação nutricional de usuários do SUS, em sua maioria de baixa renda, que contém dados de 2008 a 2022, divididos por município. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, ou Sisvan, possui dados detalhados por faixa etária, gênero, raça e outros recortes, mas instabilidades no sistema dificultam (e muito) o acesso.

Em um projeto em parceria com a revista piauí, nós raspamos os principais dados do site e disponibilizamos para os nossos leitores. Organizamos as informações por município, mesorregião e estado. Recomendamos a leitura dos relatórios do Sisvan para fazer uso adequado dos dados.

No caso da altura, são disponibilizadas métricas de crianças de estatura considerada abaixo ou muito abaixo do esperado para a idade. Em IMC (índice de massa corporal), os pesados são divididos em magreza acentuada, magreza, eutrofia, sobrepeso, obesidade e obesidade grave para as crianças de 5 a 10 anos. Para as de 0 a 5 não há dados de obesidade grave.

As informações são divulgadas tanto em número absoluto de pesados quanto em porcentagens. Recomendamos usar as porcentagens para fazer qualquer comparação, pois o número total de pessoas pesadas varia ano a ano.

Os dados estão separados em planilhas de 0 a 5 anos e de 5 a 10 anos, tanto em formato CSV quanto no Google Spreadsheet.

Acesse aqui.

Atenção: esses dados são atualizados com frequência, então é possível que haja pequenas variações nos valores encontrados nas nossas planilhas e no Sisvan. Testamos os dados ao longo de dois meses e não houve grandes variações que alterassem uma tendência de queda ou aumento em qualquer região. De qualquer forma, recomendamos checar as informações finais no site antes de qualquer conclusão.

Nós também registramos diversos pedidos para que o Ministério da Saúde disponibilize as informações em formato CSV no site. A pasta diz que está trabalhando em melhorias para que todos os dados sejam divulgados.

______________________________________________________

Se usar as informações, dê o crédito!

ATENÇÃO: Todo o material publicado gratuitamente no nosso site ou na newsletter Don’t LAI to me pode, e deve, ser compartilhado! Usamos a licença “Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)”, que permite a republicação/adaptação, inclusive para fins comerciais, nas seguintes condições:

-Todas as republicações ou reportagens feitas a partir de dados/documentos liberados pela nossa equipe devem trazer o nome da Fiquem Sabendo, com crédito para: “Fiquem Sabendo, agência de dados especializada no acesso a informações públicas”;

-Incluir link para a publicação original da agência (no site ou na newsletter);

-As postagens nas redes sociais sobre as reportagens com dados obtidos pela nossa equipe devem conter menção aos perfis da agência: Twitter, Instagram, Facebook ou Linkedin.

______________________________________________________

Este conteúdo saiu primeiro na edição #82 da newsletter da Fiquem Sabendo, a Don’t LAI to me. A newsletter é gratuita e enviada quinzenalmente, às segundas-feiras. Clique aqui e inscreva-se para receber nossas descobertas em primeira mão também.