Home > Mobilidade Urbana > Todos os dias, um ciclista é morto no trânsito de São Paulo

Todos os dias, um ciclista é morto no trânsito de São Paulo

///
Comentários desabilitados

Aos 28 anos, Marina Harkot, cientista social, ciclista e ativista, foi atropelada enquanto andava de bicicleta na Zona Oeste de São Paulo no último domingo, (8). Principal suspeito da morte, o microempresário José Maria da Costa Júnior, 33, não parou para prestar socorro e foi indiciado por homicídio culposo e por fuga do local do acidente.

Reportagem em parceria com o Yahoo Brasil, acesse aqui.

De janeiro a setembro deste ano, 297 ciclistas foram vítimas de acidentes fatais no estado de São Paulo. A média é de uma morte por dia, segundo levantamento da agência Fiquem Sabendo feito a partir de dados do Infosiga SP. Apesar do isolamento social que reduziu a quantidade de pessoas em circulação nas ruas, o número é maior do que o registrado no mesmo período ano passado, quando ocorreram 295 óbitos.

A diretora presidente da União de Ciclistas do Brasil (UCB), Ana Carboni, avalia que durante a pandemia houve um aumento da violência no trânsito. “Quando uma pessoa escolhe andar acima da velocidade máxima e atropela alguém, eu não chamo isso de acidente”, pontua. A cicloativista considera que a redução do limite de velocidade das vias é primordial para garantir a segurança de todos os ciclistas e transeuntes.

Em 92% dos acidentes fatais que ocorreram este ano, a vítima era do gênero masculino. A faixa etária que concentra mais mortes (32), o equivalente a 10,8% do total, são crianças e adolescentes de 0 a 17 anos. Em segundo lugar, estão pessoas de 50 a 52 anos, com 31 mortos e 10,4% do total.

Quer continuar lendo? Acesse aqui a reportagem completa no Yahoo Brasil.

Você também poderá gostar
SP registra um BO por homofobia a cada duas horas e meia
Grajaú e Cidade Ademar lideram fila de espera de creches em São Paulo na pandemia; veja lista por bairros
Lei de Acesso: o salvo-conduto dos jornalistas
Luta mulheres negras contra racismo
Injúria racial: 1 boletim de ocorrência a cada 6h em SP