Home > Mobilidade Urbana > Cai número de passageiros na CPTM; governo culpa crise econômica

Cai número de passageiros na CPTM; governo culpa crise econômica

///
Comentários desabilitados
Cai número de passageiros na CPTM; governo culpa crise econômica

Interior de trem da linha 1-coral da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos); sistema registrou queda no número de passageiros. Foto: Edson Lopes Jr/A2 FOTOGRAFIA (04/11/2014)

O ano de 2015 registrou queda no número de passageiros transportados pelas seis linhas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na comparação com 2014. É a primeira vez que isso acontece desde 2012.

Entre um ano e outro, houve uma diferença de 1,4 milhão de usuários transportados. Em números absolutos, o recuou foi de 832,8 milhões de para 831,4 milhões de passageiros que usaram a rede dos trens metropolitanos.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da CPTM obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

Se, em termos percentuais, a queda significa uma leve oscilação negativa anual (0,17%), quanto à tendência da quantidade de passageiros transportados anualmente, ela representa a interrupção de uma série de três altas seguidas.

Entre 2013 e 2014, por exemplo, o número de passageiros transportados pelas seis linhas da CPTM saltou 4,71% (de 795,3 milhões para 831,4 milhões). Isso significa uma diferença de 37,5 milhões de passageiros.

De acordo com os números disponibilizados pela empresa, em 2011, a CPTM transportou 18,73% de passageiros a menos do que em 2015. (Veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo.)

Cai número de passageiros na CPTM; governo culpa crise econômica

Linha 11-coral e 7-rubi, que servem cidades-dormitórios, puxaram queda

Quatro das seis linhas da CPTM registraram queda no número de passageiros transportados. Foram elas: 7-rubi, 10-turquesa, 11-coral e 12-safira.

As outras duas linhas da rede de trens metropolitanos (8-diamante e 9-esmeralda) tiveram aumento na quantidade de usuários no ano passado.

As maiores quedas se deram nas linhas 11-coral (de 213 milhões para 210,6 milhões de passageiros) e na linha 7-rubi (de 134,2 milhões para 133,3 milhões de usuários).

Essas duas linhas têm por semelhança o fato de interligarem várias cidades-dormitórios à capital paulista, como, no caso da linha 11, Ferraz de Vasconcelos, Suzano e Poá, e na linha 7-rubi, Franco da Rocha e Francisco Morato.

Com o aumento do desemprego, nos últimos meses, o fluxo de trabalhadores entre essas cidades e a capital paulista diminuiu.

Por que isso é importante?

A Lei nº 12.587/2012, que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, define, no seu art. 5º, inciso IV, como um dos princípios do transporte público “a eficiência, a eficácia e a efetividade” de quem presta esse serviço.

Essa mesma lei diz, no seu art. 14, inciso I, que é direito do usuário do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “receber o serviço adequado”.

Segundo essa lei, o Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “é o conjunto organizado e coordenado dos modos de transporte, de serviços e de infraestruturas que garante os deslocamentos de pessoas e cargas no território do Município”.

Queda está diretamente relacionada à retração econômica vivida no país, afirma secretaria

A STM (Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos), responsável pela CPTM, disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que a redução de passageiras está diretamente relacionada à crise econômica viviva pelo país.

Leia, abaixo, a íntegra da nota que a secretaria enviou à reportagem.

“A Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) informa que, de acordo com pesquisas já realizadas, a maioria dos ‘Motivos de Viagem’ realizadas por usuários do trem metropolitano ocorre por trabalho, negócios ou retorno à residência. Portanto, em 2015, a discreta redução de passageiros transportados pela CPTM está diretamente relacionada à retração da atividade econômica vivida pelo país.”

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores