Home > Mobilidade Urbana > Alagamentos intransitáveis crescem 71% em São Paulo em um ano

Alagamentos intransitáveis crescem 71% em São Paulo em um ano

///
Comentários desabilitados
Alagamentos intransitáveis crescem 71% em São Paulo em um ano

Trecho alagado da rua Tenente Otávio Gomes, na Liberdade, região central de São Paulo. Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas (10/03/2016)

O número de alagamentos intransitáveis em ruas e avenidas da cidade de São Paulo contabilizados pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), da prefeitura, cresceu 71% entre 2014 e 2015. Em números absolutos, a quantidade de ocorrências saltou de 559 para 957.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da CET obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). (Veja no quadro abaixo.)

Alagamentos intransitáveis crescem 71% em São Paulo em um ano

De acordo com as informações disponibilizadas pela empresa, os números relativos a 2015 também superaram os 777 alagamentos intransitáveis contabilizados em 2013 (primeiro ano da administração Fernando Haddad).

Por que isso é importante?

A Lei nº 12.587/2012, que instituiu as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, define no inciso IV, de seu art. 5º, como um dos princípios do transporte público “a eficiência, a eficácia e a efetividade” de quem presta esse serviço.

Essa mesma lei prevê no inciso I, do art. 14, que é direito do usuário do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “receber o serviço adequado”.

Ainda de acordo com essa lei, o Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “é o conjunto organizado e coordenado dos modos de transporte, de serviços e de infraestruturas que garante os deslocamentos de pessoas e cargas no território do Município”.

Monitoramento se tornou mais rigoroso, afirma prefeitura

A gestão do prefeito Fernando Haddad disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que o aumento das ocorrências de alagamento se deu em um “contexto de um monitoramento mais rigoroso nos dias chuvosos”.

Leia, abaixo, a íntegra da nota que a administração municipal enviou à reportagem:

“A Prefeitura de São Paulo esclarece que o aumento das ocorrências de alagamento registradas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) não pode ser observado sem considerar o contexto de um monitoramento mais rigoroso nos dias chuvosos, que vem se intensificando desde 2013 no âmbito da Operação Chuvas de Verão (OPV).

O objetivo é compreender o impacto das chuvas na capital, estudar pontos que necessitam de ações de tráfego e drenagem e direcionar o planejamento de obras para locais mais críticos.

É oportuno ressaltar que a Prefeitura tem o maior pacote de obras de drenagem já visto na cidade, que aumentará em mais de 50% a atual capacidade de reservação de água. Há 13 grandes obras viabilizadas por esta gestão – três com previsão de entrega no segundo semestre deste ano; sete contratadas (que já podem ser iniciadas), e três com editais publicados. 

As obras que serão entregues ainda neste ano são: Ponte Baixa (M’Boi Mirim), Fase 1 Cordeiro (Cidade Ademar) e Sumaré/Água Preta (Lapa). Essas obras já mostram resultados, pois mesmo não finalizadas têm contribuído para o escoamento mais rápido da água.”

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
SP registra um BO por homofobia a cada duas horas e meia