Home > Mobilidade Urbana > A cada 24 h, marginal Tietê registra 11 acidentes com caminhões

A cada 24 h, marginal Tietê registra 11 acidentes com caminhões

A cada 24 h, marginal Tietê registra 11 acidentes com caminhões

Caminhão trafega pela pista local da marginal Tietê, próximo à ponte Freguesia do Ó, no sentido Ayrton Senna. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

Entre 2012 e 2014, 12.105 caminhões se envolveram em acidentes ou quebraram na marginal Tietê, via mais movimentada da cidade de São Paulo. Isso representa uma média de 11 caminhões parados nessa via a cada 24 horas, em média.

Nesse período, 3.173 caminhões (2,89 por dia, em média) envolveram-se em acidentes na marginal Pinheiros.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) de São Paulo obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). (Veja o detalhamento desses números no infográfico abaixo.)

A cada 24 h, marginal Tietê registra 11 acidentes com caminhões

Em 2014, 40 pessoas morreram em acidentes na marginal

O grande fluxo de veículos e a alta incidência de acidentes entre caminhões e motocicletas e de atropelamentos fazem da marginal Tietê a via campeã de mortes no trânsito de São Paulo há vários anos.

No ano passado, 40 pessoas morreram em acidentes nessa via, segundo a CET. No mesmo período, outras 33 vítimas morreram após batidas na marginal Pinheiros.

Em julho, prefeitura reduziu limite de velocidade nas marginais

Desde o dia 20 de julho, as marginais Tietê e Pinheiros têm velocidades máximas permitidas entre 50 km/h a 70 km/h (dependendo da pista).

Até então, veículos podiam trafegar a velocidades de 70 km/h a 90 km/h nas duas marginais.

A ideia da prefeitura é reduzir o número de mortos e de feridos em acidentes.

Polêmica, a medida é vista por alguns como uma forma de a prefeitura aumentar a sua arrecadação com a aplicação de multas.

Mortes no trânsito caíram 18,5% no 1º semestre de 2015

A gestão Fernando Haddad anunciou nesta terça-feira (29) que as mortes provocadas por acidentes de trânsito na cidade de São Paulo caíram de 637 para 519 entre os primeiros semestres de 2014 e deste ano.

Houve 118 mortes a menos entre um período e outro. Entre pedestres (maiores vítimas do trânsito em São Paulo), o número de mortes caiu de 274 para 230, segundo a prefeitura.

Acidentes caíram nos últimos 3 anos, afirma CET

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) disse em nota enviada por sua assessoria de imprensa que “os números de acidentes com veículos pesados nas marginais apresentou queda nos últimos três anos”. “Na marginal Pinheiros houve redução de 25% (de 1.205 para 905). E na marginal Tietê o índice teve recuo de 23% (de 4.520 para 3.460).”

De acordo com a empresa, esse resultado é “fruto de um amplo trabalho iniciado em 2013, por meio do Programa de Proteção à Vida (PPV), na qual a Companhia tem investido numa série de ações para redução de acidentes e qualidade de vida dos paulistanos no trânsito”.

“Em 2014, a cidade de São Paulo possuía 651 equipamentos de fiscalização eletrônica em 726 pontos/locais. Neste ano, são 743 equipamentos de fiscalização eletrônica, que fiscalizam 846 pontos/locais.”

Segundo a CET, a padronização da velocidade máxima permitida nas principais ruas e avenidas em 50 km/h “está colaborando na redução de acidentes na cidade”. “Dados preliminares apontam que, nas oito semanas após a implementação da medida (de 20 de julho a 13 de setembro), os acidentes com vítimas (mortos e feridos) nas marginais caíram 36% em relação ao mesmo período de 2014. O número de ocorrências passou de 220 para 140.”

Para aliviar os gargalos em casos de acidentes ou quebras, a Companhia informou que “segue todos os procedimentos necessários para agilizar a operação, canalizando o local para organização do trânsito e tomar as providências necessárias para remoção”. “A Companhia promoveu a reestruturação das gerências de engenharia de tráfego atuando de forma efetiva em todas as regiões da cidade. Esta medida garante maior amplitude das rotas operacionais e demais trabalhos de atendimento ao cidadão no trânsito.”

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo