Home > Mobilidade Urbana > 20 vias com mais acidentes de trânsito graves no 1º semestre em SP

20 vias com mais acidentes de trânsito graves no 1º semestre em SP

20 vias com mais acidentes de trânsito graves no 1º semestre em SP

Carro com as rodas para cima após capotamento na avenida Paulista, região central de São Paulo, no ano passado. Foto: Paulo Pinto/Fotos Publicas (11/06/2014)

A marginal Pinheiros registrou 218 acidentes de trânsito com vítimas atendidas pelo Corpo de Bombeiros entre janeiro e junho deste ano (um caso a cada 20 horas, em média). Isso fez dela a via campeã de batidas com gravidade na capital paulista no primeiro semestre.

Com 206 casos, a marginal Tietê ficou em segundo lugar no ranking. Na terceira colocação, aparece a avenida Aricanduva, na zona leste, com 149 acidentes.

É o que aponta o ranking das 20 vias com mais acidentes de trânsito graves na cidade de São Paulo, feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). (Veja o detalhamento dessas informações no infográfico abaixo.)

20 vias com mais acidentes de trânsito graves no 1º semestre em SP

Esses números, que incluem atropelamentos e acidentes envolvendo ocupantes de motocicletas e outros tipos de veículos, não levam em conta os casos nos quais as vítimas foram atendidas pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Maioria das avenidas do ranking fica na zona sul

Oito das 20 avenidas do ranking de mais acidentes ficam na zona sul de São Paulo. Entre elas, estão a estrada do M’Boi Mirim, via de ligação de bairros dos distritos do Jardim Ângela e do Parque Santo Antônio com a marginal Pinheiros, com 137 casos, e a avenida Senador Teotônio Vilela, no Grajaú, com 113.

Parte do trajeto de outras três grandes avenidas do ranking, que cortam mais de uma região da cidade, também fica na zona sul. São elas: marginal Pinheiros, avenida do Estado e avenida 23 de Maio.

Região também concentra atendimentos do Samu

Parte dessas vias da zona sul também figuraram no ranking das dez vias com mais acidentes de trânsito nos quais as vítimas foram atendidas pelo Samu, administrado pela Secretaria Municipal da Saúde, como mostrou reportagem do Fiquem Sabendo publicada no dia 2 de julho.

Naquele levantamento, com dados referentes ao período de janeiro a maio deste ano, a estrada do M’Boi Mirim encabeçou a lista, com 78 acidentes.

Por que isso é importante?

A Lei nº 9.503/1997 (Código de Trânsito Brasileiro), em seu art. 1º, § 2º, diz que “o trânsito, em condições seguras, é um direito de todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar as medidas destinadas a assegurar esse direito”.

Esse mesmo artigo, no § 3º, diz que “os órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito respondem, no âmbito das respectivas competências, objetivamente, por danos causados aos cidadãos em virtude de ação, omissão ou erro na execução e manutenção de programas, projetos e serviços que garantam o exercício do direito do trânsito seguro”.

Abaixo, seguem algumas dicas do Corpo de Bombeiros para prevenir acidentes de trânsito.

Dicas do Corpo de Bombeiros para prevenção de acidentes

Cidade passa por processo de redução de velocidade de grandes avenidas

As principais vias da cidade de São Paulo estão tendo os seus limites de velocidade máxima permitida reduzidos pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) desde o mês passado.

No dia 20 de julho, as velocidades máximas permitidas nas duas marginais _Tietê e Pinheiros_ foram reduzidas para uma faixa de 50 km/h a 70 km/h, dependendo da pista.

De lá para cá, algumas outras importantes vias, como Jacu-Pêssego (zona leste), também tiveram o limite de velocidade reduzido.

Segundo a prefeitura, o principal objetivo dessa medida é reduzir os acidentes e, consequentemente, o número de feridos e de mortos no trânsito.

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo