Home > Mobilidade Urbana > 20 linhas da EMTU que mais recebem reclamações de passageiros

20 linhas da EMTU que mais recebem reclamações de passageiros

20 linhas da EMTU que mais recebem reclamações de passageiros

Passageiro entra em ônibus da linha 283, no bairro Cidade Ariston, em Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo; linha foi alvo de 96 reclamações de usuários entre janeiro e maio. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

A linha 283 (Carapicuíba-Cidade Ariston/Osasco-Vila Yara) recebeu 96 reclamações de passageiros entre janeiro e maio deste ano (quatro por semana, em média). Isso fez dela a campeã de queixas dentre todas as linhas da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) que prestam o serviço de transporte público intermunicipal na região metropolitana de São Paulo.

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da EMTU obtidos por meio da Lei nº 12.527 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com os dados disponibilizados pela empresa controlada pela gestão do governador Geraldo Alckmin, vinculada à Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos, a linha 032 (Itapecerica da Serra-Parque Paraíso/São Paulo-Pinheiros) foi a segunda que recebeu mais reclamações no acumulado de janeiro a maio. Foram 67 queixas. Atrás dela, em terceiro lugar do ranking, aparece a linha 376 (Diadema-Terminal Metropolitano Diadema/São Paulo-Estação CPTM Berrini), com 55 reclamações. (Veja o no infográfico abaixo o ranking das 20 linhas da EMTU mais reclamadas por usuários da Grande São Paulo.)

20 linhas da EMTU com mais reclamações de passageiros

Espera excessiva no ponto de ônibus é a principal reclamação

Quarenta e uma das 96 reclamações dirigidas à linha 283 (Carapicuíba-Cidade Ariston/Osasco-Vila Yara) entre janeiro e maio deste ano tiveram como motivo o intervalo excessivo entre as partidas dos coletivos. Houve ainda dois relatos de que partidas não foram cumpridas no horário estipulado.

Na prática, as duas reclamações _que representam, juntas, 46% do total de críticas à linha_ significam que os passageiros afirmam passar muito tempo na parada à espera do ônibus.

Demora chega a ser de meia hora, afirmam passageiras

A reportagem fez duas viagens completas na linha 283 (Carapicuíba-Cidade Ariston/Osasco-Vila Yara) na tarde desta quarta-feira (15) e conversou com usuários.

Para eles, os números de reclamações registrados pela EMTU refletem, de fato, o principal problema da linha: o intervalo excessivo entre um ônibus e outro.

Moradora da Vila Marcondes, em Carapicuíba, a técnica de enfermagem Shirley de Lima, 32 anos, usa essa linha há cerca de cinco anos no trajeto entre a casa dela e o laboratório onde trabalha, no centro de Osasco. Segundo ela, o tempo de espera no ponto aumenta nesta época do ano, devido às férias escolares. “Hoje (ontem), fiquei meia hora, entre as 13h e as 13h30, no ponto, à espera do ônibus”, reclama.

Colega de trabalho de Shirley, Ivoneide Soares, 35 anos, mora no Jardim Veloso e também utiliza a linha 283. De acordo com ela, outro problema por que passam os passageiros diariamente é a superlotação, principalmente no horário de pico da manhã, no sentido de Osasco. “Nunca dá para ir sentada. Como demora muito para o ônibus passar, eles ficam ainda mais lotados.”

A comerciante Ellen Gabriela dos Santos, 23 anos, mora em Cidade Ariston e tem utilizado a linha, nos últimos dias, à tarde, para ir à autoescola onde faz um curso preparatório para tirar a carta de habilitação, na Cohab de Carapicuíba. Ela também reclamam da demora para o ônibus passar no ponto. “A gente fica mais de 20 minutos esperando”, diz.

 

20 linhas da EMTU com mais reclamações de passageiros

A comerciante Ellen Gabriela dos Santos, 23 anos, diz que ônibus da linha 283 demora muito tempo para passar no ponto. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

Empresa transporta 1,9 milhão de passageiros diariamente

A EMTU presta um serviço fundamental a quem mora nos bairros periféricos das cidades do entorno de São Paulo e precisa se deslocar para as áreas mais centrais desses municípios ou ir à capital para trabalhar ou estudar.

Diariamente, cerca de 1,9 milhão de passageiros utiliza as linhas da empresa só na Grande São Paulo _a EMTU também atua em outras regiões metropolitanas, como a de Santos e a de Campinas.

Por que isso é importante?

A Lei nº 12.587/2012, que instituiu as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, define no inciso IV, de seu art. 5º, como um dos princípios do transporte público “a eficiência, a eficácia e a efetividade” de quem presta esse serviço.

Essa mesma lei prevê no inciso I, do art. 14, que é direito do usuário do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “receber o serviço adequado”.

Ainda de acordo com essa lei, o Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “é o conjunto organizado e coordenado dos modos de transporte, de serviços e de infraestruturas que garante os deslocamentos de pessoas e cargas no território do Município”.

Empresa não se manifesta

Procurada por meio da sua assessoria de imprensa, a EMTU não se manifestou sobre o assunto até o momento da publicação desta reportagem.

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo