Home > Meio Ambiente > Reclamações por falta de água crescem 66% na região do Alto Tietê

Reclamações por falta de água crescem 66% na região do Alto Tietê

///
Comentários desabilitados
Reclamações por falta de água crescem 66% na região do Alto Tietê

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, durante visita a local de captação de água do córrego Guaratuba para o Sistema do Alto Tietê. Foto: Edson Lopes Jr/ A2AD (27/01/2015)

O número de reclamações por falta de água feitas por clientes da região do Alto Tietê à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) aumentou 66% entre janeiro e outubro de 2014 e o mesmo período deste ano.

Em um ano, a quantidade de queixas por interrupção no abastecimento nessa região cresceu de 9.176 para 15.257 (veja no infográfico abaixo).

Reclamações por falta de água crescem 66% na região do Alto Tietê

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da estatal obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com as informações disponibilizadas pela empresa controlada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), o Alto Tietê abrange seis municípios da Grande São Paulo (Arujá, Biritiba Mirim,Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Poá e Suzano) e Salesópolis, onde se encontra a nascente do rio Tietê.

Reservatório que abastece região sofre com escassez de água

Passados quase dois anos de crise hídrica, o sistema Alto Tietê é o manancial que se encontra com o menor nível de água armazenada entre os conjuntos de reservatórios que atendem a região metropolitana de São Paulo.

Neste domingo (15), o sistema operava com 15,2% de sua capacidade, de acordo com a Sabesp.

O Cantareira, o mais importante da Grande São Paulo, operava com 17,5% de sua capacidade.

Por que isso é importante?

Lei nº 9.433/97 (Política Nacional de Recursos Hídricos) prevê que a água “é um bem de domínio público” e que um dos objetivos dessa política é “assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos”.

Essa mesma lei federal determina ainda que “a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público, dos usuários e das comunidades”.

Em julho de 2010, a Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu o acesso a uma água de qualidade e a instalações sanitárias adequadas como um direito humano.

Aumento era previsível, afirma Sabesp

A Sabesp disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que, “com a redução da produção de água de 27% desde o início da crise hídrica, era previsível que o número de reclamações aumentasse no período”.

De acordo com a empresa, nos meses de janeiro e fevereiro/2014, a produção de água se mantinha acima dos 71 m³/s e as ações para combater o desperdício ainda não tinham sido implantadas. Em outubro/15, a produção caiu para 52 m³/s.

“Nunca é demais lembrar que, para manter o abastecimento de 20,6 milhões de pessoas na Região Metropolitana de São Paulo, dezenas de obras foram entregues para expandir a captação de água dos mananciais.”

Como resultado destas ações e da colaboração da população em economizar, a Sabesp diz que “conseguiu manter o abastecimento sem a necessidade da implantação de medidas drásticas”.

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores