Home > Habitação > Investimento no Minha Casa Minha Vida despenca no 1º semestre em SP

Investimento no Minha Casa Minha Vida despenca no 1º semestre em SP

Investimento no Minha Casa Minha Vida despenca no 1º semestre em SP

A presidente da República, Dilma Rousseff (PT), cumprimenta beneficiária do programa Minha Casa Minha Vida, em Maricá, no Rio de Janeiro. Ichiro Guerra/PR (31/7/2015)

O governo da presidente Dilma Rousseff (PT) reduziu de R$ 418 milhões para R$ 96 mil a verba do Ministério das Cidades utilizada na contratação de novas unidades de moradia destinadas à população de baixa renda por meio do programa Minha Casa Minha Vida, no Estado de São Paulo, entre os primeiros semestres de 2014 e deste ano. Isso representa um recuo de 99,98% em investimentos em um ano.

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados do Ministério das Cidades obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). (Veja no infográfico abaixo.)

Tesourada fez verba cair de R$ 418 bilhões para R$ 96 mil

Essa diminuição drástica nas contratações de novas unidades do principal programa de habitação popular do país reflete o corte de R$ 17,2 bilhões do orçamento do Ministério das Cidades neste ano. A pasta chefiada pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) foi a mais atingida pelo contingenciamento de R$ 69,9 bilhões da União, anunciado em maio pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. (O seu colega do Ministério da Fazenda, Joaquim Levy, queria que a tesourada fosse ainda de maior e ficasse entre R$ 70 bilhões e R$ 80 bilhões.)

No dia 30 de julho, o governo federal anunciou um novo corte orçamentário: foram contingenciados mais de R$ 4,5 bilhões do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Mais uma vez, o Ministério das Cidades foi a pasta mais afetada, com a retirada de R$ 1,36 bilhão de seu orçamento.

Número de unidades entregues aumentou no Estado

A quantidade de unidades de habitação popular entregues por meio do programa Minha Casa Minha Vida no Estado de São Paulo no primeiro semestre deste ano aumentou 14,32% (12.645 para 14.457). (Veja no infográfico abaixo.)

Quantidade de unidades de moradia popular entregues cresceu em São Paulo

 

Essa diferença entre os ritmos de investimento e de efetiva entrega de unidades se deve ao fato de que os conjuntos residenciais que têm sido inaugurados recentemente se referem a contratações do Minha Casa Minha Vida feitas em anos anteriores.

Em todo o país, as contratações do programa caíram de R$ 3,9 bilhões para R$ 287 milhões entre os primeiros semestres de 2014 e deste ano. A entrega de unidades também caiu: de 91.851 para 84.309.

Por que isso é importante?

O direito à moradia é um dos direitos sociais previstos pelo artigo 6º da Constituição Federal de 1988. Ele tem esse status desde a Emenda Constitucional 26, de 14 de fevereiro de 2000 (governo Fernando Henrique Cardoso).

O artigo 23, inciso IX, também da Constituição, diz que é da competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios “promover programas de construção de moradias e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico”.

Kassab comanda Minha Casa Minha Vida

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD); ele chefia a pasta responsável pelo Minha Casa Minha Vida desde janeiro deste ano. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil (15/04/2015)

Programa está em pleno vigor, afirma ministério

O Ministério das Cidades disse em nota enviada por sua assessoria de imprensa que “os dados mostram que o programa Minha Casa Minha Vida está em pleno vigor e beneficiou, somente nos primeiros sete meses, deste ano, cerca de 258 mil  pessoas”. “Com a terceira fase do MCMV, que trará aprimoramentos em relação às fases 1 e 2 e será lançado no dia 10 de setembro, serão contratadas mais 3 milhões de unidades em todo o Brasil.”

O ministério informou, também, que “desde o início do programa, em 2009, foram entregues 2,3 milhões de unidades habitacionais e cerca de 1,7 milhões estão em andamento, em todo o país”. “O investimento do governo federal é de R$ 265,7 bilhões e até o momento, mais de nove milhões de pessoas foram beneficiadas com as moradias.”

Você também poderá gostar
Gestão Covas divulga dados inflados de vagas em albergues em São Paulo
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Como fazer a FOIA (LAI) trabalhar pra você
Como fazer a FOIA (LAI) trabalhar pra você
Jornalismo de dados “raiz” | Entrevista com Lúcio Vaz
Jornalismo de dados “raiz” | Entrevista com Lúcio Vaz