Home > Segurança > A cada seis dias, um funcionário da CPTM é vítima de agressão física

A cada seis dias, um funcionário da CPTM é vítima de agressão física

///
Comentários desabilitados
A cada 6 dias, um funcionário da CPTM é vítima de agressão física

Funcionário da CPTM ajuda cadeirante a embarcar na estação Domingos de Morais, da linha 8-diamante. Foto: Vagner Campos/A2 FOTOGRAFIA (13/05/2014)

Entre 2011 e 2015, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) registrou 264 casos de agressão física sofridos por seus empregados.

Só o ano passado contabilizou 59 casos. Isso representa uma média de uma ocorrência a cada seis dias.

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da empresa de transporte metropolitano obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

De acordo com as informações disponibilizadas pela CPTM, no período analisado, 2011 registrou a menor quantidade de agressões (36), enquanto 2014 contabilizou o pico de ocorrências (66).

No metrô, número de agressões é ainda maior

Reportagem do Fiquem Sabendo, publicada em março deste ano, mostrou que os casos de agressão a agentes do metrô de São Paulo cresceram 69% entre 2014 e 2015. Em números absolutos, a alta foi de 64 para 108 ocorrências.

No caso do metrô, a maioria das agressões são sofridas por seguranças. Em 2015, 66 dos 108 casos tiveram esses profissionais como vítimas.

Os dados da CPTM não detalham a função de cada empregado vítima de agressão.

Marreteiros são altamente agressivos, diz sindicalista

Na avaliação do presidente do Sindviários (Sindicato dos Trabalhadores no Sistema Viário e Urbano do Estado de São Paulo), Altino Prazeres Júnior, o aumento das agressões está relacionado à atual crise econômica, que, diz ele, provocou o aumento da quantidade de vendedores ambulantes e de pessoas que querem usar o metrô sem pagar, como é o caso dos “prateados”, pessoas que se pintam e pedem dinheiro dentro e fora do metrô. Ele conversou com a reportagem em março.

“Os marreteiros são altamente agressivos. Já vivenciados casos em que um usuário, que foi abordado por querer burlar a catraca, ameaçou o metroviário de morte”, conta Prazeres Júnior.

Na avaliação do especialista em segurança pública Jorge Lordello, faz sentido relacionar o aumento das agressões com situações ligadas à retração da atividade econômica, como a presença de uma quantidade maior de ambulantes nos trens e nas estações do metrô. “Com a alta taxa de desemprego que registramos atualmente, a gente sabe que o brasileiro vai se virar e uma forma de fazer isso é vender qualquer coisa na rua. Para essa pessoa, qualquer economia é importante. Em situações em que se vende algo proibido ou não se quer pagar uma passagem, vai haver confronto.”

Para o especialista, outro fator que pode ter influenciado o aumento das agressões é o que ele descreve como momento de maior tensão emocional das pessoas decorrente da crise política do país e o consequente alto número de manifestações, como as que têm ocorrido na avenida Paulista (região central de São Paulo). “Com as manifestações, há um grande fluxo de pessoas em horários e em dias em que isso não acontecia habitualmente. E as pessoas, de um modo geral, estão alteradas emocionalmente. Com esse estresse todo, qualquer coisa é motivo para uma discussão ou uma briga.”

Entre 2014 e 2015, o Metrô informou ter registrado apenas um caso de agressão a usuário cometida por um segurança da empresa.

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores