Home > Saúde > Governo Bolsonaro mantém em estoque 5,6 milhões de testes para Covid-19

Governo Bolsonaro mantém em estoque 5,6 milhões de testes para Covid-19

De todos os testes moleculares para Covid-19 adquiridos pelo Ministério da Saúde desde março, apenas 36% – cerca de 3,2 milhões – chegaram aos laboratórios de Estados e municípios. A pasta mantém 5,6 milhões de testes RT-PCR em estoque, segundo dados inéditos obtidos pela agência Fiquem Sabendo via Lei de Acesso à Informação.

Reportagem em parceria com o Yahoo Brasil, acesse aqui.

Doutor em saúde coletiva e membro da Comissão de Política, Planejamento e Gestão da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), o enfermeiro sanitarista Dário Frederico Pasche, que trabalhou por 10 anos no Ministério da Saúde, manifestou surpresa ao ser informado sobre a quantidade de testes em estoque. “É um escândalo. Os pesquisadores, os clínicos, a OMS está dizendo que é fundamental testar, o Brasil é um dos países que menos testa porque tem pouco teste e o que tem está guardado em algum depósito do Ministério da Saúde? Isso é inaceitável. Não há justificativa técnica para se manter uma reserva nessas proporções”, diz. 

Os dados informados via LAI diferem do balanço mantido pela Secretaria de Vigilância em Saúde no painel oficial de distribuição de insumos, que aponta os mesmos 3,2 milhões de testes distribuídos e 4,7 milhões em estoque, o que somaria 7,9 milhões de testes. No entanto, o painel do MS mostra também o total de 8,9 milhões de testes recebidos. Dessa forma, 1 milhão de testes não são contabilizados pelo sistema nem como distribuídos nem como em estoque. 

A testagem em massa é defendida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das principais medidas de combate a pandemia do novo coronavírus. A recomendação é testar tanto casos suspeitos quanto pessoas que tiveram contato com infectados. “Temos uma simples mensagem: testem, testem, testem. Todos os casos suspeitos. Se eles derem positivo, isolem”, declarou o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Para esclarecer a importância dos testes, Pasche diferencia o combate à epidemia do novo coronavírus do combate à doença Covid-19: “Temos dado muita atenção para a doença, o que é absolutamente necessário, preparar a rede para os 15% estimados que precisarão de cuidado hospitalar, mas temos lidado muito pouco com a epidemia, que é essencialmente comunitária, ou seja, é transmitida de pessoa para pessoa, isso exige estratégias de vigilância epidemiológica, mas para fazer isso é fundamental ter teste”.

O sanitarista menciona estatísticas da Universidade de Paris que indicam que 85% das pessoas contaminadas pelo coronavírus são assintomáticas ou sintomáticas leves, que podem estar transmitindo o vírus sem saber que estão contaminadas, pois não estão sendo testadas. “Há uma falha muito grande em lidar com a epidemia. Estamos testando os casos graves, que chegam aos hospitais, e os mortos, enquanto deveríamos estar mapeando e testando os contatos dessas pessoas para controlar a epidemia”, conclui Pasche.

Acesse aqui a reportagem completa no Yahoo Brasil.