Home > Saúde > 24 milhões de paulistas dependem do Sistema Único de Saúde

24 milhões de paulistas dependem do Sistema Único de Saúde

///
Comentários desabilitados
Mais da metade dos paulistas é usuária do SUS

Fachada da UBS (Unidade Básica de Saúde) City Jaraguá, na zona norte de São Paulo; usuários afirmam que a falta de médico é um problema recorrente no local. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo 

Cerca de 23,7 milhões dos 44 milhões de habitantes do Estado de São Paulo dependem exclusivamente da rede de assistência à saúde disponibilizada pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Esse contingente representa 54% (mais da metade) da população paulista.

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Secretaria de Estado da Saúde obtidos por meio da Lei nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação). Ele é resultado do estudo mais recente realizado pela gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) sobre o assunto.

Isso significa que o percentual populacional dependente do SUS é maior no Estado do que na capital paulista. (Veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo.)

Quantidade de usuários dependentes do SUS no Estado

Reportagem do Fiquem Sabendo publicada no dia 1º de junho mostrou que 39,7% dos moradores da cidade de São Paulo (cerca de 4,5 milhões de pessoas) são usuários exclusivos do Sistema Único de Saúde.

46% da população do Estado tem plano de saúde

O estudo feito pela Secretaria de Estado da Saúde aponta ainda que 18,9 milhões de habitantes do Estado de São Paulo são usuários de planos privados de assistência à saúde. Isso representa 46% da população paulista.

Parte desse grupo também é usuária eventual da rede de atendimento disponibilizada pelo SUS. Isso é mais comum de ocorrer em casos de urgência e emergência. Por lei, o serviço público de saúde brasileiro é universal e deve atender a todas as pessoas que dele necessitam.

Falta médico em posto de saúde na zona norte da capital

Mais da metade dos paulistas é usuária exclusiva do SUS

A diarista Gildenir Santana, 32 anos, em frente a posto de saúde no Jaraguá, zona norte de São Paulo. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

Quem foi à UBS (Unidade Básica de Saúde) City Jaraguá, na zona norte de São Paulo, entre esta sexta-feira (10) e o dia seguinte, não encontrou nenhum clínico-geral no posto.

A reportagem conversou com quatro pacientes que passaram por esse problema.

Moradora do Jaraguá, a dona de casa Andreza dos Santos, 30 anos, que está grávida, foi à unidade no começo da manhã de sábado (11) após sofrer um sangramento em casa. “Disseram que não tem médico de nenhuma especialidade. É um absurdo”, relata. Ela se dirigiu ao Hospital Geral de Taipas, bairro vizinho, para receber atendimento.

O eletricista Antonio José da Silva, 49 anos, foi à UBS na sexta-feira após sentir-se mal em casa. Segundo ele, após não encontrar médico no local, ele se dirigiu a um hospital na Vila Penteado, também na zona norte, onde recebeu atendimento. “Esse posto foi reformado recentemente. De lá para cá, esse problema de falta de médico é constante.”

De acordo com a diarista Gildenir Santana, 32 anos, também usuária do posto, por vários dias, nas duas últimas semanas, o posto ficou sem clínico-geral. “Sempre falta médico aqui”, reclama.

Por que isso é importante?

A Constituição Federal de 1988 prevê, em seu art. 6º, o direito à saúde como um dos direitos sociais.

Já o art. 196, também da Constituição Federal, diz que a saúde “é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

A Lei 8.080/90 (Lei do SUS) prevê, em seu art. 2º, que “a saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício”.

Nove hospitais foram entregues nos últimos quatro anos, diz secretaria

A Secretaria de Estado da Saúde informou por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que, desde 1998, “entregou 35 novos hospitais estaduais à população e 52 AMEs (Ambulatórios Médicos de Especialidades)”.

A pasta informou que administra, hoje, 93 hospitais em diferentes regiões do Estado. “Somente nos últimos quatro anos nove novos hospitais estaduais foram entregues.”

A secretaria afirmou que ajuda as Santas Casas e outras entidades filantrópicas “com repasses extras, do tesouro estadual, para garantir a devida assistência aos pacientes”.

Em relação à atenção básica, a secretaria disse auxiliar a assistência básica municipal com sete diferentes projetos, e investimento anual de R$ 380 milhões.

A pasta informou ainda que irá entregar dez novos hospitais estaduais até 2018, incluindo um especializado ao atendimento de traumas e vítimas de acidentes, na capital paulista.  “Por modelo de PPP (Parceria  Público-Privada) serão construídos três novos hospitais, sendo um na cidade de São Paulo, um em Sorocaba e outro em São José dos Campos.”

Você também poderá gostar
Ministro pede revisão de norma que tira responsabilidade do TCU de receber denúncias sobre transparência
Com florestas em chamas, governo Bolsonaro investiu 24% a menos no combate ao fogo em setembro
25 anos de atraso: os pedidos de acesso dos Estados Unidos sem solução
Estratégias e táticas para acessar informações públicas em 5 lições
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores
Repórter da ProPublica fala sobre acesso a e-mails de políticos e servidores